Museu expõe O Falatório, de Stella do Patrocínio, a partir de hoje

A mostra gratuita ficará aberta ao público até 24 de abril de 2023

O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro, inaugura neste sábado (22), às 14h, a mostra Stella do Patrocínio – Me mostrar que eu não sou sozinha. Que tem outras iguais, semelhantes a mim e diferentes. A exposição, inédita, apresenta O Falatório, de Stella do Patrocínio, nascida no Rio de Janeiro em 1941. Empregada doméstica, negra, assim como sucedeu com Arthur Bispo do Rosário, Stella foi conduzida arbitrariamente pela polícia e internada no Centro Psiquiátrico Pedro II, aos 21 anos de idade. Em 1966, foi transferida para a Colônia Juliano Moreira, onde permaneceu até a sua morte, aos 51 anos.

Ao contrário de outros internos da colônia, que traduziam sua arte em pinturas e esculturas na grande maioria, Stella do Patrocínio tinha uma produção em prosa e poesia, que depois foi registrada em gravações. “Ela tinha toda uma produção que foi depois registrada e chamada pela própria Stella de O Falatório. Ela tinha um jeito próprio de expressar a revolta do manicômio, a relação com a sociedade. E ela pôde expressar isso falando”, disse à Agência Brasil a diretora do Museu, Raquel Fernandes.

O Falatório é composto por um conjunto de conversas com Carla Guagliardi, gravadas em fita cassete, que fizeram parte, em 1986, do movimento de humanização das práticas em ambientes psiquiátricos, realizado na Colônia Juliano Moreira.

Nesse contexto foi criado o projeto Oficina de Livre Criação Artística, em parceria com a Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV), idealizado pelas psicólogas Denise Correa e Marlene Sá Freire, com a orientação da artista Nelly Gutmacher e participação de estudantes da EAV.

O projeto promoveu oficinas de arte para internas do extinto Núcleo Teixeira Brandão, e formou um grupo feminino de interação com as mulheres internadas, entre as quais se encontrava Stella. “Ela era sempre altiva e se colocava de uma forma muito interessante, diferente das demais internas”, disse Raquel.

O grupo do Parque Lage gravou as falas de Stella, que acabaram fazendo parte de uma exposição no Paço Imperial, nos anos de 1990, onde se viam recortadas as frases desse Falatório que Stella colocava.

Depois, em 2001, após a morte de Stella, suas falas viraram um livro, organizado pela filósofa Viviane Mosé. Desde então, o Falatório de Stella do Patrocínio tornou-se publicamente conhecido, inspirando diversas produções artísticas e pesquisas acadêmicas.

“Com isso, Stella acabou sendo apresentada como uma potência da poesia falada. Daí, ela começa a ser reconhecida. As pessoas começam a estudar Stella, os áudios começam a circular, a partir do recorte do livro, e ela passa a ser objeto de interesse para pesquisas de mestrado e doutorado”, disse a diretora do museu.

Exposição
Na exposição, o Falatório de Stella é apresentado na íntegra. “É uma exposição que convoca as pessoas a escutar o Falatório sem nenhum recorte, como ela de fato apresentou, e fazendo com que as pessoas possam ser atravessadas por esse Falatório. Foi isso que a gente propôs também para as artistas que fazem parte da exposição”, disse Raquel.

“A partir daí, surgiram trabalhos que são inspirados nesse Falatório, que ressalta a condição da mulher negra, o seu papel de fala, a violência sofrida em relação a isso e, como não há uma reparação possível, como proceder diante disso e, de alguma maneira, não silenciar”, comentou Raquel Fernandes.

“Essa é a provocação que a gente trouxe para as artistas”, acrescenta Raquel.

O projeto coloca em foco a palavra falada, escrita, desenhada, costurada, bordada, dançada, performada, cantada, mobilizada pela escuta do Falatório de Stella do Patrocínio, afirmando sua relevância na produção intelectual e artística brasileira e afrodiaspórica.

A mostra reúne trabalhos das artistas Annaline Curado, Morena, Natasha Felix, Panmela Castro, Patricia Ruth, Priscila Rezende, Rogéria Barbosa, Val Souza, Vanessa Alves, Zahy e Rosana Palazyan junto à Ana Letícia Silva de Souza, Mac Laine Faria, Cláudia Coura, Luzia Cavalcanti e Fatinha da Rocinha.

A exposição também conta com a participação do Núcleo de Atenção Psicossocial a Afetados pela Violência de Estado (Napave). A curadoria coletiva é de Patrícia Ruth, Rogéria Barbosa, Diana Kolker, Raquel Fernandes e Ricardo Resende.

Racismo
O racismo é outro aspecto muito presente em artistas como Stella do Patrocínio, que eram internadas arbitrariamente em manicômios, no século passado. A diretora do Museu Bispo do Rosário disse que um grande contingente de mulheres era internado pelas famílias nos manicômios. Eram mulheres que se rebelavam contra os pais, maridos ou companheiros, que tinham uma postura mais questionadora ou não aceitavam a violência imposta às mulheres. “Essas eram taxadas como loucas, histéricas, psicóticas. Um grande quantitativo acabou ficando aqui”, disse Raquel Fernandes.

A diretora do museu salientou ainda que ao contrário dos homens internados, que eram mais visitados pelas famílias, muito poucas mulheres recebiam visitas. “Ficavam abandonadas por serem consideradas improdutivas, à margem. Havia também muito de racismo, porque um grande contingente de mulheres internadas como loucas era negra, pobre. Acabavam vindo para cá e silenciadas”.

A diretora Raquel Fernandes lembra que a exposição está sendo realizada no mesmo ano em que o Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira encerra os últimos núcleos ativos de internação, por meio da implementação de políticas de cuidado e reinserção psicossocial.

“Nosso projeto marca e reafirma a luta por uma sociedade sem manicômios, e soma forças às ações de justiça e reparação às vítimas da violência do Estado que atinge, principalmente, mulheres historicamente afetadas pelo racismo. A exposição é um convite à escuta”, disse.

O Museu Bispo do Rosário promove também neste sábado o lançamento do livro Uma trajetória, uma vida, uma escolha, produzido por Rogéria Barbosa, usuária também do serviço mental. A artista integra o Atelier Gaia, apoiado pelo museu, é militante da luta antimanicomial e uma das curadoras da exposição.

O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea fica na Estrada Rodrigues Caldas, 3.400, Taquara, em Jacarepaguá.

Os agendamentos de visitas podem ser feitos no endereço virtual do museu.

A mostra gratuita ficará aberta ao público até 24 de abril de 2023, no horário das 10h às 17h, diariamente, exceto segunda-feira.

EBC

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: