Dia Mundial sem Tabaco: Especialista alerta que tabaco aquecido não pode ser apontado como alternativa menos nociva aos cigarros comum e eletrônico

Profissional destaca que a única forma saudável de cigarro é não consumir

O 31 de maio é lembrado como o Dia Mundial sem Tabaco, um produto que é oferecido pela indústria tabagista como uma alternativa menos prejudicial do que os cigarros eletrônico e tradicional, o tabaco aquecido vem sendo tema de estudos científicos frequentes, um deles recentemente divulgado por pesquisadores da Universidade Metropolitana de Osaka, no Japão, que descobriu que o produto, conhecido popularmente como heat not burn, pode tornar seu usuário mais predisposto à infecção grave pelo vírus da Covid-19.

A enfermeira especialista em Promoção à Saúde, Alessandra Clume Ferreira, explica as principais características entre os três.

“O tabaco aquecido é um bastão aquecido por um dispositivo blindado, que não permite alteração pelo consumidor, não entrando em combustão, portanto, o aquecimento destas substâncias vira uma outra substância extremamente agressiva. No cigarro eletrônico, um líquido que pode ser composto de nicotina e associado a essências é aquecido para se transformar em vapor a ser inalado. O cigarro tradicional é composto por mais de 7 mil substâncias que ao entrarem em combustão transformam-se em outras substâncias extremamente tóxicas ao usuário, ao fumante passivo e ao meio ambiente”, destaca.

A professora do curso de Enfermagem da Estácio acrescenta que nos dispositivos fumígenos aquecidos há um aumento expressivo da possibilidade de o usuário ser acometido por doença respiratória aguda grave, devido à inalação dos diluentes aquecidos. O tabaco aquecido – produto que não queima o tabaco e libera o sabor dele por meio do vapor – não pode ser apontado como uma alternativa menos nociva, tanto ao cigarro elétrico quanto ao cigarro comum, como aponta a profissional de saúde.

“Não existe cigarro saudável. É muito grave ver a disseminação de informações equivocadas a respeito de substâncias tão maléficas ou propostas de compostos que não adoecem. A única forma saudável de cigarro é não consumir”, enfatiza Alessandra.

Malefícios, tratamento e dados
A unanimidade a respeito do cigarro comum, do tabaco aquecido e do cigarro eletrônico é que todos causam malefícios à saúde, como explica Alessandra, entre eles o risco de desenvolver dependência química à nicotina, doenças coronarianas, acidente vascular cerebral, câncer de pulmão, abortos e impotência sexual. E segundo a profissional, os dados no Brasil e no mundo são alarmantes.

De acordo com a Vigilância de Fatores de Riscos e Proteção para Doenças Crônicas (Vigitel), no Brasil temos 9,1% de fumantes com 18 anos ou mais, sendo 11,8% de homens e 6,7% de mulheres. Segundo a Organização Mundial da Saúde, em 2020, 22,3% da população mundial usava tabaco, sendo 36,7% homens, 7,8% mulheres.

A professora ainda ressalta que existe tratamento gratuito a quem deseja parar de fumar oferecido pelo SUS. “Os interessados devem procurar as secretarias municipais de saúde e se informar sobre o programa antitabagismo da cidade”, informa a especialista.

Atendimento gratuito na Estácio Macapá
O Serviço de Psicologia Aplicada (SPA) da Estácio Macapá, que realiza atendimentos psicoterápicos gratuitos à população da cidade e da região, atua no auxílio a dependentes do tabaco. O atendimento é feito por estudantes de Psicologia de períodos avançados, com a supervisão dos professores da universidade.

Informações sobre o cadastro para atendimento gratuito no SPA podem ser obtidas pelo telefone (96) 98411-7179, das 08h às 12h, ou pelo WhatsApp (96) 98411-7179. A Estácio Macapá fica na Rua José Tupinambá, nº 1223, no bairro Jesus de Nazaré.

O que você pensa sobre este artigo?

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.