Entra em vigor primeiro acordo alcançado na OMC em 20 anos

O pacto foi alcançado na reunião ministerial de 2013 em Bali (Indonésia). Reprodução

Genebra, 22 fev (EFE).- O Acordo de Facilitação do Comércio, o primeiro pacto comercial alcançado no seio da Organização Mundial do Comércio (OMC) em toda sua história, entrou nesta quarta-feira em vigor com a ratificação de mais de dois terços dos membros da entidade.

“É um momento histórico. É a reforma comercial de maior alcance realizada neste século, e envia uma clara mensagem”, disse em entrevista coletiva o diretor-geral da organização, Roberto Azevêdo.

O responsável pela organização que rege o comércio mundial elogiou o que chamou de um “marco”, e disse que espera que “inspire para estabelecer e conseguir outras metas no futuro”.

“Ao ratificar o acordo, os membros da OMC mostraram seu compromisso com o sistema multilateral do comércio”, ressaltou.

Precisamente, questionado sobre este sinal, que é contrário aos orçamentos protecionistas colocados até agora pela administração Trump, Azevêdo se limitou a dizer que os Estados Unidos foram um dos primeiros a ratificar o Acordo -durante o anterior governo- e que se comprometeram a fundo em implementá-lo.

“Eu não escutei ninguém se queixar de uma redução dos custos”, se limitou a dizer.

O acordo de Facilitação do Comércio estabelece dezenas de medidas para facilitar o fluxo de bens nas alfândegas, reduzir a burocracia e com isso multiplicar os intercâmbios comerciais entre países e reduzir de forma notória os custos dessas transações.

Além disso, estabelece medidas para a efetiva cooperação entre as alfândegas de diferentes países, e implementa mecanismos de assistência técnica para as nações menos desenvolvidas dotadas com fundos que já podem ser usados.

O pacto foi alcançado na reunião ministerial de 2013 em Bali (Indonésia), momento no qual foi dito que o acordo permitiria a criação de 21 milhões de empregos e acrescentaria à economia global US$ 1 trilhão.

Segundo as estimativas do Banco Mundial, a implementação do Acordo de Facilitação do Comércio implicará em uma redução dos custos transacionais do comércio internacional de 14,5% para os países em desenvolvimento e de 10% para os países desenvolvidos.

Por sua vez, a OCDE estima que por cada ponto percentual de redução dos custos transacionais globais, aumenta a renda mundial em US$ 40 bilhões.

Azevêdo afirmou hoje que em 2030, a implementação do Acordo e Facilitação do Comércio “poderia permitir um crescimento das exportações globais anuais de 2,7%, e um aumento de 0,5% do PIB mundial”.

Concretamente, para os países em desenvolvimento, a implementação plena do Acordo poderia aumentar o crescimento de suas exportações em um 3,5 % anual, segundo a OMC.

Continue lendo no site do Uol

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: