Educa

Amazônia maranhense já perdeu 75% de cobertura, alertam pesquisadores

Educa

Por Sabrina Rodrigues

O Maranhão está muito próximo de acabar com o que resta de floresta Amazônica em seu território: basicamente 75% já foram desmatadas e os índices de desmatamento ilegal continuam altos no estado. Na última sexta-feira (04), pesquisadores da Rede para Conservação da Amazônia Maranhense lançaram um comunicado baseado em um artigo publicado na revista científica Land Use Policy, que fez o recente diagnóstico sobre a situação calamitosa no estado.

Em carta aberta, os pesquisadores afirmam que “para garantir a sustentabilidade econômica e o desenvolvimento social no longo prazo no estado mais pobre do Brasil, o governo do Maranhão deve urgentemente criar mecanismos para proteger suas florestas, promover agricultura sem-fogo e estabelecer uma política de restauração florestal.”

Os pesquisadores alertam que o estado do Maranhão atingiu níveis recordes de queima, enfrenta escassez de água e luta contra os piores indicadores sociais e econômicos do país. Além disso, a vegetação secundária cobre 19,9 mil km² (27% da área desmatada) e está completamente desprotegida.

“Contrário aos compromissos internacionais assumidos pelo Brasil durante a COP-21 em Paris para combater o desmatamento e restaurar florestas, parte dos representantes políticos do Maranhão tem buscado mecanismos legais para diminuir ainda mais a cobertura florestal. As áreas protegidas (Unidades de Conservação e Terras Indígenas) estão sendo desmatadas ilegalmente. Além disso, cerca de 771 km² de florestas nas propriedades rurais do estado ainda estão disponíveis para o desmatamento legal, uma área equivalente à da cidade de Nova York”, afirma a Rede, no comunicado.

A Rede para a Conservação da Amazônia Maranhense sustenta a afirmação de que o Estado do Maranhão precisa urgentemente estabelecer uma política de “desmatamento Zero”.

O Eco

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.