Educa

Sebrae sedia Seminário de restituição do estudo da Cabotagem no Planalto das Guianas ao Caribe nesta terça (26)

O estudo é cofinanciado pelo fundo europeu PCIA e analisa a viabilidade de um serviço de transporte marítimo inter-regional que vai permitir o desenvolvimento de intercâmbios e da economia no Amapá, Pará, Guiana Francesa, Suriname e Guiana

 

Denyse Quintas

 

O Sebrae sedia em Macapá, nesta terça-feira (26), das 8h às 12h, na Sala do Conhecimento, o Seminário de restituição do estudo da Cabotagem Inter-Regional no Planalto das Guianas ao Caribe. O evento reúne o governo estadual, entidades e empresários. A apresentação do estudo será feita pelo consultor Valère Escudié, da Empresa See’Up.

 

Estudo

 

De acordo com a Empresa See’Up, o estudo traz subsídios importantes para a implantação de transporte marítimo considerando as peculiaridades na região do Amapá, Pará, Guiana Francesa, Suriname e Guiana, e propõe soluções às lacunas jurídicas e, principalmente, abrir um leque de oportunidades de mercado aos empresários locais no aspecto logístico.

 

O resultado do estudo será apresentado aos atores públicos e privados com o objetivo de desenvolver a economia dos territórios, por meio de um serviço complementar a atual oferta de transporte, levando em consideração os desafios de uma solução rápida para exportação de produtos brasileiros de acordo com as normas estabelecidas pela União Europeia e a diversificação da oferta marítima entre a Guiana Francesa e Antilhas Francesas; uma solução para exportações da Guiana e o Suriname ao norte do Brasil.

 

Durante o estudo foram levantados potenciais fluxos e pontos importantes como normas da União Europeia (UE), complexidade administrativa brasileira e oferta marítima, tempo de trânsito e custo do transporte marítimo, custo portuário do Degrad des Cannes (Porto da Guiana Francesa), preferência ‘local’ do setor de distribuição, ausência de fluxo de retorno, barreiras aduaneiras brasileiras.

 

Cenários

 

O estudo da Cabotagem Inter-Regional no Planalto das Guianas ao Caribe apresenta três (3) cenários, são eles: Guiana Shield, Guiana Shield & Caraibe e 2 lines.

 

Guiana Shield, permite a exportação direta de produtos brasileiros para a Planalto das Guianas; permite a exportação do Suriname e da Guiana para nordeste do Brasil; reduz os fluxos informais da Guiana para Suriname.

 

Guiana Shield & Caraibe, permite a exportação direta de produtos brasileiros para a Planalto das Guianas; permite a exportação do Suriname e da Guiana para Antilhas francesas; reduz os fluxos informais da Guiana para o Suriname, Amapá e Guiana Francesa; nova solução entre Antilhas francesas e Guiana Francesa (St Laurent du Maroni).

 

2 lines, permite a exportação direta de produtos brasileiros para a Planalto das Guianas; permite a exportação do Suriname e da Guiana para o Brasil; reduz os fluxos informais da Guiana Francesa para o Suriname; diversifica a oferta Antilhas-Guiana francesas.

 

 

Realizadores

 

O Seminário de Restituição do Estudo da Cabotagem Inter-Regional no Planalto das Guianas ao Caribe é uma realização do Sebrae, Agência Amapá, Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará (Codec), Grand Port da Guiana Francesa (GPM) e Programa de Cooperação Interreg Amazônia (PCIA).

 

Sebrae

 

De acordo com o diretor-superintendente do Sebrae, João Carlos Alvarenga, a instituição retomou as ações do Projeto de Desenvolvimento das Relações Transfronteiriças, que tem o objetivo de articular com gestores públicos e privados no Amapá, através de ações que fortaleçam e desenvolvam o ambiente externo dos pequenos negócios.

 

“Assim, o Sebrae busca apoiar ações estratégicas que fortaleçam as parcerias internacionais, por meio de atividades relacionadas à articulação com as lideranças empresariais no estado do Amapá, visando o acesso a internacionalização conforme proposto pela Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas”, disse o diretor-superintendente do Sebrae, João Carlos Alvarenga.

 

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: