Só as mães são eternas

Queria escrever um pouco e não achava jeito sobre as mães, numa elegia de ausência à mãe que perdi há 20 anos. Vaguei pensando e encontrei de passagem no FB do professor, poeta e amigo Paulo Nunes um vídeo da cantora Maria Bethânia a bom louvar a mãe, dona Canô.

Bastou para lembrar do quanto a matriarca, simpática, doce e com seu ar de santa, gostava de cantar ao lado dos filhos naquela casa da poética e mística Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo Baiano.

Fui buscar e encontrei o vídeo que posto e que já vira algumas vezes, mostrando uma cantoria puxada por dona Canô na frente de casa, com Bethânia e Caetano ajudando a remexer a memória dela para cantar um dos maiores clássicos da música brasileira. A modinha Chuá-Chuá, com melodia de Pedro de Sá e versos de Ary Pavão e Marques Porto, foi lançada em 1925.

Chuá-Chuá foi cantada por muitos intérpretes. Um deles, para mim icônico, Pena Branca. É música, portanto, contemporânea da juventude de dona Canô, que nasceu em 1907.

No vídeo, o encontro de mãe e filhos, a música, a beleza no ar, a magia de Santo Amaro, os dois gênios da MPB e a certeza da transitoriedade da vida na voz se esvaindo de dona Canô se acumpliciam para fazer do instante uma celebração para a mãe. Enxergo nela, bela, a minha que se foi.

………………
Chuá-chuá

Deixa a cidade,
Formosa morena,
Linda pequena,
E volta ao sertão
Beber a água da fonte que canta
Que se levanta
Do meio do chão

Se tu nasceste
Cabocla cheirosa,
Cheirando a rosa
Do seio da terra,
Volta pra vida serena da roça
Daquela palhoça
Do alto da serra.

E a fonte a cantar:
Chuá, chuá.
E as águas a correr:
Chuê, chuê.
Parece que alguém
Cheio de mágoa
Deixasse quem há
De dizer da saudade
No meio das águas
Rolando também.

A Lua branca
De luz prateada
Faz a jornada
No alto dos céus,
Como se fosse
Uma sombra altaneira
Da cachoeira
Fazendo escarcéu.

Quando essa Lua
Está na altura distante,
Lifa ofegante,
No Poente cair,
Dá-me essa trova
Que o pinho descerra
Que eu volto pra serra,
Que eu quero partir.

E a fonte a cantar..

 

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.