Inversão completa dos polos terrestres está mais próxima do que imaginávamos

Educa

Ares Saturno

Uma equipe de pesquisadores do Instituto de Ciências Ambientais e da Terra em Postdam, leste da Alemanha, publicou na última terça-feira (21) um estudo que afirma que os polos magnéticos do nosso planeta poderão se inverter antes do que era esperado e também de forma mais abrupta.

Antes do estudo ser publicado, acreditava-se que algumas centenas de anos nos separariam de uma inversão total dos polos terrestres. Entretanto, com novas evidências, foi possível concluir que a última mudança geomagnética completa ocorreu no final da última era do gelo, levando apenas 144 anos para se concluir. O fenômeno aconteceu há 780 mil anos e o período é cerca de 30 vezes menor do que se estimava anteriormente.

Entretanto, o estudo publicado pelos cientistas de Potsdam defende que as reversões nos polos magnéticos ocorrem naturalmente a cada 200 mil ou 300 mil anos. Isso se dá porque os metais líquidos existentes no centro da Terra se movem em diferentes direções até o completo intercambiamento entre o norte e o sul magnéticos. Durante o fenômeno, é observado o declínio prolongado da intensidade do campo, mas uma rápida recuperação acontece após a estabilização da nova orientação. Esse é mais um argumento utilizado no estudo para defender que uma nova mudança deve estar próxima: o campo magnético da Terra já encontra-se 10% mais fraco do que estava há 175 anos. Os polos estão se movendo de forma acelerada também: atualmente, o Polo Norte se localiza no norte do Canadá, mas a cada ano ele se move cerca de 50 quilômetros em direção à Sibéria.

Saiba mais no Canaltech

Amazônia Brasil Rádio Web ao vivo!

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.