AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Hackers usaram falha no WhatsApp para instalar programas espiões em celulares

Marcelo Barros

Recentemente, o Whatsapp corrigiu uma vulnerabilidade severa que estava sendo explorada por invasores para instalar remotamente malwares de vigilância em alguns smartphones “selecionados”, simplesmente ligando para os números de telefone alvo através da chamada de áudio do WhatsApp.

Descoberto, armado e depois vendido pela empresa israelense NSO Group, que produz o spyware móvel mais avançado do planeta, a exploração do WhatsApp instala o spyware do Pegasus em dispositivos Android e iOS.

De acordo com um comunicado publicado pelo Facebook, uma vulnerabilidade de estouro de buffer no VOIP do WhatsApp permite que atacantes remotos executem código arbitrário em telefones de destino enviando uma série especialmente criada de pacotes SRTCP.

Aparentemente, a vulnerabilidade, identificada como CVE-2019-3568 , pode ser explorada com sucesso para instalar o spyware e roubar dados de um telefone Android ou iPhone direcionado simplesmente fazendo uma chamada WhatsApp, mesmo quando a chamada não é atendida.

Além disso, a vítima não poderá descobrir mais sobre a invasão depois que o spyware apagar as informações de chamadas recebidas dos registros para operar furtivamente.

Embora o número exato de usuários do WhatsApp ainda não seja conhecido, os engenheiros do WhatsApp confirmaram que apenas um “número selecionado” de usuários foi alvo do spyware do NSO Group usando esta vulnerabilidade.

Enquanto isso, o Citizen Lab, um grupo de vigilância da Universidade de Toronto que está investigando as atividades do NSO Group, acredita que a vulnerabilidade foi usada para atacar um advogado de direitos humanos com base no Reino Unido recentemente, no domingo.

O spyware Pegasus do NSO Group permite que invasores acessem uma quantidade incrível de dados remotamente dos smartphones das vítimas, incluindo mensagens de texto, e-mails, mensagens WhatsApp, detalhes de contatos, registro de chamadas, localização, microfone e câmera – tudo sem o conhecimento das vítimas.

Veja mais no Defesa TV

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: