AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Covid-19: regiões de Paris manterão monitoramento após reabertura

Premiê diz que já houve progresso para amenizar restrições

Os parisienses precisarão mostrar formulários para usar o transporte público e ainda têm que evitar os parques, mas poderão fazer compras nas lojas da Champs-Élysées. Essas são algumas das medidas adotadas para o começo da suspensão do isolamento do coronavírus na França, a partir de segunda-feira (11).

Embora a França acumule 25.809 mortes, o que a torna uma das nações mais afetadas pela covid-19, o primeiro-ministro, Édouard Philippe, disse, em entrevista coletiva, que já houve progresso suficiente na contenção da doença e no amparo aos hospitais para que se possa começar a amenizar as restrições.

Algumas regiões, no entanto, incluindo a área de Paris, continuarão a ser “zonas vermelhas” – nesses locais o fim do isolamento nacional de quase dois meses será mais cauteloso.

Veja também:

Covid Verificado: plataforma separa fatos de fake news sobre o novo coronavírus

Amapá tem 2.046 casos confirmados, 2.990 em análise laboratorial e 56 óbitos

Sinais de baixa imunidade? Imunonutrição pode ser feita em casa e fortalece o organismo

“O país está cortado em dois, e o vírus está circulando mais rapidamente em algumas regiões, principalmente a região de Paris, que é povoada muito densamente”, disse Philippe.

“Na região de Paris, a taxa de infecção está caindo lentamente, mas continua muito alta, mais alta do que esperávamos. É por isso que nesses territórios precisamos ser extra vigilantes”.

Regiões administrativa em volta de Calais, Estrasburgo e Dijon também continuarão sendo “zonas vermelhas”, onde algumas restrições permanecerão – como manter parques, jardins e escolas secundárias fechadas.

Em outras partes da França, cafés e restaurantes poderão abrir a partir do início de junho, se a taxa de infecção se mantiver baixa.

Os idosos e vulneráveis foram aconselhados a continuar observando o mesmo distanciamento do isolamento nos próximos meses, mas o premiê disse que isso não será obrigatório, ficando a cargo do bom senso.

Reuters

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: