Covid-19: como ficam sessões de crianças com psicólogos na pandemia

Atendimento online é feito desde 2018 por profissionais cadastrados

Com a pandemia do novo coronavírus, muitos pais têm dúvidas sobre como proceder com as sessões das crianças com psicólogos.

A sessão online, inclusive para crianças, não é uma novidade na psicologia. Segundo a presidente do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Ana Sandra Fernandes, elas são realizadas desde 2018, por profissionais cadastrados na plataforma e-Psi.

“No caso de crianças maiores, elas já nasceram em uma geração muito tecnológica. São crianças que fazem uso dessas tecnologias e ferramentas com facilidade. A mãe ou o pai conecta a criança e já deixa aos cuidados do profissional que vai adaptar suas técnicas e ferramentas para utilização online, inclusive fazendo uso de recursos ludoterápicos. Temos muitos recursos desse tipo disponíveis que o profissional de psicologia pode lançar mão nesse momento”, disse Ana Sandra à Agência Brasil.

Veja também:

Cadastro para o Auxílio Emergencial pode ser feito nas agências dos Correios

Bioparque da Amazônia recebe novos moradores neste período de pandemia

Amapá tem 15.166 casos confirmados, 10.700 em análise laboratorial, 7.095 pessoas recuperadas e 303 óbitos

Quando o atendimento envolve crianças menores de 5 anos de idade, a presidente do Conselho Federal de Psicologia reconhece que o profissional precisa fazer uma adaptação maior em suas ferramentas para que, excepcionalmente nesse período, seja feito na presença dos pais.

“Um fator importante nesses casos é sempre considerar a questão do tempo. Crianças pequenas têm mais dificuldade de passar longos períodos fazendo uma atividade. Aí, o psicólogo precisa considerar essas questões para fazer o processo de adaptação. Para esse público, o ideal é uma adaptação para um atendimento na presença da família, considerando aspectos éticos de sigilo profissional”, explicou a psicóloga.

Atendimento presencial
Ana Sandra ressaltou que o atendimento presencial de crianças por psicólogos não está proibido. Ela alertou, porém, que, como não existe orientação única para o território nacional, em razão das diferenças estaduais e da forma como a pandemia avança, o Conselho Federal de Psicologia orienta os profissionais a seguir as determinações das autoridades municipais e estaduais da região onde trabalham. O CFP recomenda também observar o que diz a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“No geral, se for necessário atendimento presencial, precisam ser observadas todas as normas de segurança, de distanciamento, higienização de ambiente e materiais e de ventilação do consultório. Não há proibição de que esse atendimento ocorra, mas há uma recomendação de que o profissional avalie se não estará expondo o paciente ou expondo sua própria vida nesse atendimento”, afirmou Ana Sandra.

EBC

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: