AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Fortes incêndios na Argentina provocam retiradas e ameaçam casas

Fogo se alastra com fortes ventos e falta de chuva

Os incêndios estão intensos na província argentina de Córdoba, levando à retirada de pessoas e ameaçando destruir casas, impulsionados, em parte, pelos fortes ventos e pela falta de chuva, disseram autoridades nessa segunda-feira (24).

Pelo menos 14.321 hectares de pastagens e territórios montanhosos foram queimados até o momento, principalmente nas áreas ao norte de Punilla e Ischilín, de acordo com a mídia local, enquanto a província e o governo federal enviam aeronaves para ajudar os bombeiros na área.

O governo de Córdoba alertou sobre o risco “extremo” de incêndios em toda a província, em meio ao tempo seco e às condições de vento, e pediu aos cidadãos para relatá-los.

A Justiça local investiga a causa dos incêndios, que foram monitorados até duas fontes principais. Há suspeita de que foram causados ​​por fazendeiros ao limpar pastagens para abrir caminho a uma nova expansão, prática comum na Argentina.

Veja também:
Amapá tem 41.254 casos confirmados, 2.032 em análise laboratorial, 29.450 pessoas recuperadas e 637 óbitos
Um “redemoinho de fogo azul” pode diminuir impacto ambiental
Primeiro caso de reinfecção pelo coronavírus é confirmado

As chamas já destruíram linhas de transmissão em algumas áreas de Córdoba e ameaçam bloquear as principais rotas rodoviárias, disseram as autoridades.

“Pessoas foram retiradas. Felizmente, as decisões certas foram tomadas em tempo hábil”, disse o bombeiro-chefe Eduardo Molinari ao canal de TV argentino TN. “Ninguém ficou ferido até agora, obviamente, houve danos materiais.”

Os incêndios em Córdoba coincidem com incêndios em zonas úmidas na região do Delta do Paraná, na Argentina, que ganharam força rapidamente desde julho devido a uma forte seca. Os incêndios na região do Paraná são os piores em cerca de uma década e geraram preocupação entre os cientistas com relação ao solo, rico em carbono, liberando emissões nocivas durante a queima.

Reuters

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: