18º Festival Imagem-Movimento realiza edição especial da “Mostra Fôlego!”.

A mostra de Cinema acontece nesta sexta-feira (30), a partir das 17h na sala 1 do Cinema Movieland, no Vila Nova Shopping. Será um dia de exibição gratuita, exclusivamente dedicado à produção audiovisual do Amapá.

O Festival Imagem-Movimento (FIM), festival de audiovisual mais antigo da Região norte do Brasil em atividade, chega a sua 18ª edição em 2022 retomando o encontro presencial com o público amapaense exibindo uma edição especial da “Mostra Fôlego”.

A “Mostra Fôlego” é realizada desde 2015 e se firma como uma importante janela de exibição para os realizadores locais.
Este ano a Mostra apresenta uma seleção de 13 curtas-metragens, documentários e clipes que compõe o acervo do FIM, com produções amapaenses exibidas em edições anteriores do Festival, bem como produções convidadas. Reunidas, representam um panorama da diversidade de temáticas, gêneros e formatos que vêm sendo produzidos no estado.

Além da exibição de filmes, haverá atrações culturais na abertura e encerramento da Mostra Fôlego. A diversidade da musicalidade amapaense estará representada pela cantora Tani, o violonista Anthony Barbosa, o cantor João Amorim e pela Associação Cultural Devotos de São Jose – Marabaixo da Juventude.

As artes visuais também terão seu espaço por meio da exposição “Para abrir caminhos na ponta do céu”, resultante de uma ação propositiva do FIM, um convite colaborativo para que artistas amapaenses ou fortemente ligados ao Amapá apresentem seus trabalhos. No total, integram a exposição virtual, que será projetada pelo FIM, 17 artistas – um grupo composto por pessoas que tem longa experiência na produção artística e alguns que iniciaram a trajetória na arte mais recentemente.

O recorte expositivo conta com trabalhos visuais diversificados como ilustrações, gifs e pinturas realizadas em técnicas digitais e tradicionais. A proposta é provocar uma abertura de caminhos através da diversidade do nosso imaginário, nossa sensibilidade neste momento de confluência artística e celebração que se tornou o Festival Imagem-Movimento.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

17h: Abertura da exposição “Para abrir caminhos na ponta do céu”
17h20: Tani e Anthony
18h10 – João Amorim
19h Mostra Fôlego!
21h40: Marabaixo da Juventude
22h30 Encerramento da exposição “Para abrir caminhos na ponta do céu”.

SERVIÇO
18º Festival Imagem-Movimento – Mostra Fôlego!
Data: 30 de dezembro
Horário: 17h
Local: Cinema Movieland – sala 1 (Vila Nova Shopping)
Classificação indicativa: 10 anos
Entrada franca

SINOPSES
XANDOCA
Documentário
Direção: Davi Marworno e Takumã Kuikuro/ 2019
Duração: 12’37”
Origem: Oiapoque -AP
Classificação: Livre
Sinopse: Dona Alexandrina, também conhecida por Xandoca, é uma anciã indígena do povo Karipuna. Ela conta um pouco da sua história e da aldeia Santa Isabel, terra indígena Uaçá, no município de Oiapoque, no Amapá.

AÇAÍ
Ficção/humor
Direção: André Cantuária/2019
Duração: 18’
Origem: Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: O curta “Açaí” conta a saga de Dionlenon, um homem de 30 anos que está acostumado com a vida que leva ao lado da mãe, com quem mora numa periferia de Macapá. Ele sai em busca de dois litros de açaí para almoçar, mas não contava com uma viagem tão distante.

NÃO VALE
Clipe
Artistas: Jhimmy Feiches part.Tani Leal
Direção: Jhimmy Feiches/ 2022
Duração: 3’31”
Origem: Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: Apresentando um paralelo simbólico entre recentes desastres ambientais e a luta contra a LGBTFOBIA, “Não Vale” expressa o quanto estamos soterrados na lama, mas também cheios de vontade de superar isso.

SOLITUDE
Animação
Direção: Tami Martins/ 2021
Duração: 13’
Origem: Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: Na Amazônia, Sol se recupera do término de um relacionamento abusivo, enquanto sua Sombra foge para o deserto do Atacama por não aguentar ver seu sofrimento. Enquanto Sol, enfim, começa a retomar seus espaços e sonhos próprios, sua Sombra busca independência. Ambas travam jornadas em busca de amor próprio e autoconfiança.

MINHA VIDA NA AMAZÔNIA
Documentário
Produção: Amapá nas Entrelinhas/2022
Duração: 17’21”
Origem: Afuá- PA/Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: O doc “Minha Vida na Amazônia” traz relatos de moradores de diversas comunidades da Ilha de Afuá/PA. Eles falam sobre os costumes, gostos, dificuldades, a relação com o Amapá e outros aspectos da vida ribeirinha.

UTOPIA
Documentário
Direção: Rayane Penha
Duração: 15’16”
Origem: Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: Utopia, registro documental da busca de uma filha por histórias vividas pelo pai garimpeiro que faleceu no garimpo. Histórias vividas em garimpos pelos interiores do Estado do Amapá e relatadas através de companheiros do ofício. Um documentário de curta duração que soma o registro dessa busca com arquivos sobre esse pai, fotos, vídeos e cartas que ele escrevia para a família relatando a vivência e as dificuldades do garimpo. Em paralelo à busca o documentário procura humanizar esses homens que dedicam suas vidas à terra. Mais do que um registro o filme vem mostrar um relato íntimo e poético sobre a vida desses garimpeiros.

AVAL
Clipe
Artista: Tani Leal
Direção: Saturação/ 2021
Duração: 5’04”
Origem: Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: “Aval” narra a trajetória de uma garota – interpretada por Tani – em busca da salvação de um monstro interno – Jones Barsou com a máscara da branquitude. Ao encontrar luz no espelho de ouro que sempre esteve no norte de seu caminho, a garota percebe que enxerga nele o reflexo dela mesma e do sagrado – personificado por Ana Caroline unida ao Rio Amazonas, representando Oxum. Assim, trilha-se uma história de autoamor, encontrado no ser preto que é sagrado por si só.

ORIKI
Clipe
Artista: Pretogonista
Direção: Rayane Penha/ 2022
Duração: 5’58”
Origem: Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: O rapper Pretogonista faz reverência e pede licença para cantar sua ancestralidade. Ele caminha descalço e com familiaridade pela mata, são como um só. Um ser, que é a personificação do oriki de Oxóssi, divide a tela com o protagonista, dança e performa saudando o Grande Caçador.

DEEU$A
Clipe
Artista: Mc Deeh part. Hanna Paulino
Direção: Dyego Bucchiery/2022
Duração: 4’09”
Origem: Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: Reunião de duas artistas que representam a diversidade da música amapaense, Mc Deeh no Rap e Hanna Paulino no Rock encarnam em “Deeu$a” a potência das Yalodês, líderes e portadoras de grande poder feminino.

ROBOCOP
Clipe
Artista: Máfia Nortista
Direção: Saturação/2018
Duração: 4’13”
Origem: Macapá-AP
Classificação: 10 anos
Sinopse: Nas periferias de Macapá, moradores narram suas batalhas cotidianas por sobrevivência em uma sociedade que criminaliza seus corpos e suas vidas.

PELA ÚLTIMA VEZ
Clipe
Artista: Ruan Mikael
Direção: Ya Juarez /2022
Duração: 3’15”
Origem: Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: No clipe, assim como na letra da música, são retratados os sentimentos do cantor Ruan Mikael. O uso do zoom in e out é muito recorrente, trabalhando a dualidade com as cores. Este contraste faz da letra ainda mais impactante. É o primeiro videoclipe do artista produzido de forma totalmente independente.

MEMÓRIA FOTOGRÁFICA – UM OLHAR SOBRE A HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA EM MACAPÁ
Documentário histórico.
Direção: Mary Paes/ 2011
Duração: 22’42”
Origem: Macapá-AP
Classificação: Livre
Sinopse: A fotografia, além de ser um artefato histórico, pode ser percebida por um viés de reflexão entre o passado, o presente e o futuro. Este vídeo documentário busca contextualizar a história da fotografia em Macapá, através do olhar de seus entrevistados. Este olhar passeia, ora de forma objetiva sobre os referentes, ora vagueia pelo subjetivismo dos signos. Esforça-se, sobretudo em reconhecer e valorizar aqueles que contribuíram com seus registros fotográficos para a preservação da história da capital do Amapá.

O BARCO DO MESTRE
Documentário etnográfico.
Direção: Gavin Andrews/ 2007
Duração: 25’32”
Origem: Amapá/Pará
Classificação: Livre
Sinopse: “O Barco do Mestre” nos faz viajar pelo universo ribeirinho dos “fazedores de barcos” na foz do Rio Amazonas. Da comunidade do Elesbão em Santana (AP) às cidades de Breves, Vigia e Abaetetuba (PA) – os principais polos deste fazer artesanal – somos apresentados a carpinteiros e mestres como o Seu Silas e Grilo, hábeis artesãos e personagens de uma história que eles temem estar chegando ao fim.

Texto: Coordenação FIM

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: