AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Tarde de sexta-feira é marcada por contação de histórias no CEU das Artes

Uma tarde de histórias no Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU das Artes), ou melhor, de contação de histórias, com Angelita, codinome da ex-livreira Ângela de Carvalho, eterna apaixonada pelos livros. Nesta sexta-feira, 9, ela abriu a rodada de contação de histórias do ano de 2015 no CEU das Artes, trazendo em seu repertório o universo infantil do autor pernambucano André Neves. A criançada compareceu e se encantou. A cada nova história, os pequenos chegavam mais para perto de Angelita, para não perder o fio do enredo e apreciar mais de pertinho as ilustrações.

Sentados ao chão, sobre o tapete, a roda se formou, iniciando na Biblioteca e terminando no Teatro, ocupando os espaços deste Centro, construído para fomentar arte e educação. As crianças da comunidade do Infraero II gostaram, pediram bis, interagiram com as histórias. Como o inquieto e curioso Werley Vinícius Cabral, de 9 anos, que, não satisfeito, encostou em Angelita para se concentrar no que estava sendo contado. “Eu ainda não sei ler, mas gosto de livros. Gosto mais da Turma da Mônica, mas gostei muito de ouvir ela contando, porque fico imaginando a história na minha cabeça”, disse.

Teve até plateia ilustre, vinda diretamente de Belém – o ator Marton Maués, do grupo Palhaços Trovadores, referência na arte da palhaçaria, professor na Universidade Federal do Pará (UFPA), passou no CEU para conhecer este mais novo equipamento cultural e prestigiar a contadora de história.

Sobre a contadora

Ângela de Carvalho se vê assim: “sou uma apaixonada pela leitura e pelos livros, descobri a contação de histórias e me encantei, mas estou aprendendo. Aos poucos, encontrando minhas impressões, sempre fazendo laboratório”.

Foi nas atividades em comemoração aos 256 anos da cidade de Macapá, ano passado, nas oficinas de contação de histórias promovidas pela Fundação Municipal de Cultura (Fumcult), que Ângela se descobriu contadora e abraçou a vocação como ofício. Hoje, ela se divide em contar as aventuras saídas dos seus livros aonde tiver público, em praças, escolas, no Instituto Penitenciário para as detentas, mantém o projeto que acontece todos os domingos no Museu Fortaleza São José de Macapá, chamado “Angelita-projeto-encontrar, contar e encantar”, sempre das 17h às 18h.

E o CEU das Artes é isto: um centro onde todas as linguagens culturais se encontram, com movimento na Biblioteca, no Teatro, na Praça, e aberto para quem quiser mostrar a sua arte. Vem pro CEU!

Rita Torrinha/Asscom Fumcult

Contato: 99189-8067

Fotos: Paulo Rocha

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: