Estudo identifica quase 12 mil espécies de árvores na Amazônia

Bioma teria ainda cerca de quatro mil espécies desconhecidas

Em um estudo divulgado recentemente no periódico científico “Scientific Reports”, pesquisadores catalogaram 11.676 espécies de árvores na Amazônia.

O levantamento utilizou dados de exemplares coletados entre 1707 e 2015. Para a pesquisa, foram consideradas apenas amostras de plantas cujo diâmetro do tronco fosse igual ou maior que 10 centímetros.

A identificação das quase 12 mil espécies arbóreas na Amazônia apoia estimativas de um outro estudo, publicado em 2013, que apontou que o bioma teria um total de 390 bilhões de árvores, sendo 16 mil espécies. Cerca de 4 mil espécies ainda seriam desconhecidas. É o que explica o pesquisador da Coordenação de Botânica do Museu Paraense Emílio Goeldi, coautor de ambos os estudos, Rafael Paiva Salomão.

“Esse artigo de 2013, quando ele foi publicado, recebeu várias críticas. Esse trabalho feito agora mostra que aquele número, aquela estimativa de 16 mil, ela é bem realista”, relata.

De acordo com Salomão, é preciso avançar em pesquisas e estudos relacionados à biodiversidade da Amazônia. O pesquisador explica que para realizar o inventário de novas espécies seriam necessárias expedições em locais muito pouco explorados, o que demandaria grandes investimentos.

“Para encontrar essas 4 mil remanescentes, nós vamos demorar talvez séculos. E nós podemos chamá-las de muito raras, porque as populações dessas espécies são inferiores a mil árvores para toda a Amazônia. É mais fácil achar agulha em palheiro do que achar essas espécies”, revela.

Segundo Salomão, além do desafio de identificar novas espécies arbóreas no bioma amazônia, uma nova pesquisa, que deve ser concluída ainda este ano, pretende verificar o estado de conservação dessas plantas na natureza. Uma vez que grande parte das amostras já identificadas foram coletadas no século passado, o pesquisador acredita que vários desses exemplares podem ter sido extintos, devido a ações de desmatamento.

EBC

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: