Tocantins registra aumento de sífilis congênita

Entre janeiro e agosto de 2016, 162 casos foram notificados, superando o número registrado no mesmo período do ano passado no estado

Tocantins observa um crescimento silencioso de casos desífilis congênita, doença contraída pelo bebê ainda no período da gestação. Segundo informações do próprio governo estadual, se em 2009 foram 56 ocorrências, em 2015, o número de casos subiu para 228. Entre janeiro e agosto de 2016, 162 casos foram notificados, superando o número registrado no mesmo período do ano passado.

Para frear a situação epidemiológica, a Secretaria de Saúde do Tocantins está elaborando um plano estratégico para reduzir a forma congênita da doença até 2019. As ações serão executadas a partir do ano que vem, em parceria com conselhos e entidades de diversos municípios.

A intenção é tratar precocemente gestantes com sífilis e evitar a transmissão da doença da mãe para o feto. A forma clássica da doença é sexualmente transmissível e pode causarabortos ou malformações em bebês.

Entre os principais sintomas da doença são surgimento de ferida, geralmente única, no local de entrada da bactéria. Em geral, o ferimento aparece entre dez e 90 dias após o contágio e não causa dor nem coceira. Também podem surgir caroços na virilha. O tratamento, em média, dura três semanas.

EBC

Clique aqui e Inscreva-se agora!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: