CDs raros de bandas brasileiras podem custar até R$ 1.000

Fora de catálogo, alguns discos do grupo Charlie Brown Jr. CPM 22 e RPM são disputados por fãs em lojas físicas e pela internet

Apesar do streaming ser um competidor voraz contra o CD, muitos fãs ainda procuram músicas gravadas em mídia física. Porém, títulos fora de catálogo são vendidos a peso de ouro quando se tornam raridades.

Entre os nomes nacionais mais caros do momento, estão Charlie Brown Jr., CPM 22 e RPM, com CDs que podem custar quase mil reais. Na maioria dos casos, são álbuns que a gravadora parou de fabricar, singles de divulgação e gravações independentes de início de carreira.

O R7 pesquisou em duas das maiores galerias musicais no centro de São Paulo e descobriu quais são os brasileiros mais “caçados” na região.

André Fiori, dono da Velvet, relembra três títulos underground que são bem vendáveis.

— O CD A Sétima Efervescência (1997), do Jupiter Maçã, vai embora rapidamente mesmo sendo usado. É o primeiro álbum do cantor, não foi relançado nem mesmo saiu em vinil, então virou raridade. E existem os fãs dos anos 90 que procuram bandas independentes como Brincando de Deus e a estreia fonográfica da Pelvs.

André também destaca algumas diferenças entre colecionadores de CD e vinil.

— A ideia de querer algo original de época tem mais a ver com o comprador de LP. Na minha opinião, o fã que procura por um CD quer isso lançado em qualquer momento, pois ele não liga se é a primeira tiragem. Agora, muitos cultuadores de vinil curtem o objeto fabricado naquele ano, observam até detalhes do lançamento.

Na tradicional London Calling, o punk rock é a primeira opção de procura. Walter Thiago, que comanda a loja desde 1986, está acostumado com tal obsessão musical. Ele diz que, entre os discos mais visados, estão CDs brasileiros lançados fora do País.

Veja íntegra no R7 Música

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.