Educa

Reajuste de tarifas pelos Correios deve pesar no bolso dos consumidores

O reajuste das tarifas cobradas pelos Correios começa a valer hoje e infla o preço do envio de cartas e encomendas em 8%, em média, entre as capitais, segundo a estatal. E vai pesar no bolso do consumidor. Segundo empresários do e-commerce, que lançaram a campanha #FreteAbusivoNão, encabeçada pelo site de compras Mercado Livre, os aumentos superam a inflação e serão inevitavelmente repassados aos clientes. Caso do envio de um objeto com até 500 gramas da mineira Nova Serrana para a capital de Pernambuco: o reajuste pode chegar a 50,89%.

A medida também gerou uma batalha judicial. O próprio Mercado Livre conseguiu, na Justiça Federal, uma liminar para suspender a cobrança dos novos valores para produtos vendidos pelo site. A decisão, no entanto, continua valendo para o resto do setor do e-commerce.

De acordo com os Correios, o aumento é feito “anualmente com base na recomposição de custos” e se alinha à “política comercial da empresa”.
O reajuste para o envio de encomendas ultrapassa a inflação do ano passado, de 3%, em até oito vezes. É o caso do PAC, para até 30kg, cujo preço terá um aumento médio de 25%. Já o Sedex fica cerca de 11% mais caro.

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), que considera abusivo qualquer tipo de reajuste acima da inflação, o setor fechou 2017 com um total de pedidos de 203 milhões de objetos, 12% a mais que no ano anterior, tendo movimentado cerca de R$ 59,9 bilhões. Só em Minas Gerais, de acordo com a entidade, apenas o e-commerce girou R$ 4,8 bilhões.

Repasses
Os reajustes vão acabar pesando no bolso dos consumidores. “Como o aumento é tão abusivo, não teremos como absorver isso. Afeta o pequeno e médio empreendedor, que não estão nos grandes centros”, reclama Daniel Aguiar, gerente de Marketing do Mercado Livre. O site pode voltar a pagar taxas maiores – caso a liminar caia nas próximas semanas.

Quem não teve a mesma sorte na Justiça de ficar livre da cobrança do aumento, como o empresário Shirleyson Kaiser, dono da empresa Kapsula, de Governador Valadares, especializada em produtos naturais, diz que o peso das postagens é grande.

“O frete com os Correios é nosso maior gasto. Em janeiro, o custo foi de R$ 1,5 milhão. Nas simulações com a nova tabela, esse valor deve ir para a casa dos R$ 3 milhões”, afirma ele, cujo negócio envia, em média, 150 mil objetos por mês pelos Correios.

Shirleyson calcula que o valor repassado para o consumidor nos produtos enviados deve chegar a 15%. “Temos uma agência dos Correios dentro da nossa empresa que vai ficar praticamente inútil”, conta ele, que diz que deve diminuir em 80% o volume de encomendas enviadas pelo serviço da estatal federal.
“É um tiro no próprio pé que os Correios estão dando”, afirma o empresário, que analisa redistribuir o centros de distribuição de produtos, hoje concentrado em Valadares, para as principais praças do país.

Para o empreendedor Janner Ventura, proprietário da loja virtual Pulso Acessórios, de moda masculina, a nova tabela não surpreendeu. “Sinceramente, 8% é muito barato, porque, há dois anos, ocorreu aumento maior”, afirmou ele.

O estabelecimento envia, em média, 300 produtos por mês e gasta de 30% a 40% com as postagens, incluindo frete, pacotes, embalagens e etiquetas.
No site da Pulso Acessórios o cliente paga o valor do frete separadamente do custo do produto, diferentemente da Kapsula, cuja política é de “frete grátis”.
Um repasse no valor do produto final, no entanto, não é descartado por Ventura. “Tenho que entender como esse reajuste impacta no meu negócio. Não posso assumir esse valor sozinho”, comenta o empreendedor, que espera que os Correios voltem atrás nos reajustes.

Veja mais no Hoje em dia

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: