Menino de 13 anos encontra tesouro de mil anos enterrado na Alemanha

Segundo os historiadores, seu reinado gerou o legado uma Dinamarca unificada e convertida ao Cristianismo. Mas Haroldo 1º, também conhecido como “Dente Azul”, deixou outra herança: um tesouro enterrado na ilha Rügen, na Alemanha.

Os pertences foram descobertos em janeiro por René Schön, um arqueólogo amador, e por seu aluno Luca Malaschnitschenko, de 13 anos, quando os dois buscavam tesouros na ilha com a ajuda de um detector de metais.

Eles encontraram anéis, broches, pérolas, colares trançados, um martelo e várias moedas que correspondem ao período em que Haroldo governou o que hoje em dia é a Dinamarca, o norte da Alemanha, o sul da Suécia e partes da Noruega, compreendido entre os anos 958 e 986, aproximadamente. Há também peças mais antigas, datadas de 714.

As peças mais recentes datam da década de 980, indicando que esse tesouro poderia ter sido escondido por pessoas próximas a Haroldo 1º, já que, em 986, após perder uma batalha contra o próprio filho, ele precisou fugir para a Pomerânia. Lá, morreria um ano mais tarde.

Haroldo 1º ficou conhecido, entre outras coisas, por rejeitar as crenças vikings e unificar a Dinamarca. Em 950, ele se converteu ao Cristianismo e estabeleceu várias dioceses na Dinamarca.

Foi em homenagem a ele que algumas empresas escandinavas de tecnologia batizaram a tecnologia de conexão sem fio de dispositivos digitais de “bluetooth” (“dente azul”).

Veja mais no site BBC

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.