Educa

Designados membros do MPF para compor o MP Eleitoral no Amapá

Educa

Mandato para atuar na função eleitoral vai até 30 setembro deste anoNo Amapá, o Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral) tem nova composição. Os procuradores da República Joaquim Cabral e Rodolfo Lopes foram designados para atuar nas funções de procurador regional eleitoral e procurador regional eleitoral substituto, respectivamente. A procuradora da República Lígia Cireno será substituta eventual. A portaria de designação, assinada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, foi publicada em fevereiro no Diário Oficial da União.

O exercício dos membros do Ministério Público Federal (MPF) nas funções eleitorais segue até 30 de setembro deste ano, quando se encerraria o mandato de Nathália Mariel à frente do MP Eleitoral. A procuradora da República foi removida, a pedido, para outra unidade do MPF. Joaquim Cabral, que assumiu a titularidade do órgão, já atuava como procurador regional eleitoral substituto, desde novembro de 2016.

O procurador regional eleitoral, além de fiscalizar o processo eleitoral, tem a competência de propor ações e emitir pareceres em processos em julgamento no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Compete a ele, ainda, delegar a promotores de justiça as funções de promotores eleitorais.

MP Eleitoral – O MP Eleitoral não possui estrutura própria, mas uma composição mista: membros do MPF e do MP estadual. O MP Eleitoral atua em todas as fases do processo eleitoral. Nas eleições municipais, atuam os promotores eleitorais. Os procuradores regionais são responsáveis pelas ações contra candidatos aos cargos de governador, deputado e senador, pois o julgamento cabe ao TRE; também atuam nos recursos contra as decisões dos juízes de primeiro grau.

Mandato para atuar na função eleitoral vai até 30 de setembro deste ano

No Amapá, o Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral) tem nova composição. Os procuradores da República Joaquim Cabral e Rodolfo Lopes foram designados para atuar nas funções de procurador regional eleitoral e procurador regional eleitoral substituto, respectivamente. A procuradora da República Lígia Cireno será substituta eventual. A portaria de designação, assinada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, foi publicada em fevereiro no Diário Oficial da União.
O exercício dos membros do Ministério Público Federal (MPF) nas funções eleitorais segue até 30 de setembro deste ano, quando se encerraria o mandato de Nathália Mariel à frente do MP Eleitoral. A procuradora da República foi removida, a pedido, para outra unidade do MPF. Joaquim Cabral, que assumiu a titularidade do órgão, já atuava como procurador regional eleitoral substituto, desde novembro de 2016.
O procurador regional eleitoral, além de fiscalizar o processo eleitoral, tem a competência de propor ações e emitir pareceres em processos em julgamento no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Compete a ele, ainda, delegar a promotores de justiça as funções de promotores eleitorais.
MP Eleitoral – O MP Eleitoral não possui estrutura própria, mas uma composição mista: membros do MPF e do MP estadual. O MP Eleitoral atua em todas as fases do processo eleitoral. Nas eleições municipais, atuam os promotores eleitorais. Os procuradores regionais são responsáveis pelas ações contra candidatos aos cargos de governador, deputado e senador, pois o julgamento cabe ao TRE; também atuam nos recursos contra as decisões dos juízes de primeiro grau.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Amapá

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Amapá

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.