Ouça "Episódio 52 - Notícias da Amazônia ao vivo com Lívia Almeida" no Spreaker.

Há 35 anos no Mercado Central, sapateiro relembra como iniciou o trabalho no espaço

Foi aos 13 anos de idade que Willian Ferreira dos Santos, hoje com 48, começou a trabalhar no Mercado Central. À época, ele morava com os pais na Avenida Rio Maracá, que fica a um quarteirão do mercado. Para ajudar no sustento da família, saía todos os dias para vender chopp de frutas e aproveitava a grande freguesia do espaço para garantir um dinheiro extra.

Depois começou a prestar serviços gerais aos antigos empreendedores. Até que, na fase adulta, conseguiu um ponto na lateral do Mercado Central, onde funcionou um bar. Por algum tempo ele ficou no empreendimento. Mas as coisas começaram a tomar outro rumo e se descobriu um sapateiro de mão cheia. Willian começou a consertar sapatos, bolsas, cintos, entre outros tipos de consertos, tudo de forma manual.

Atualmente, é neste espaço, nos fundos do Mercado Central, com a banca cheia de sapatos, que segue o trabalho. Orgulhoso da profissão e da clientela que conseguiu fidelizar, não se imagina trabalhando em outro espaço. “Parte de minha vida é isso aqui, onde tudo começou, onde sempre tirei o sustento de minha família. Comecei lá atrás, ajudando meus pais, e hoje são meus filhos”, diz Willian Ferreira.

Dos 63 boxes, Willian irá ocupar o de número 9, na lateral do mercado. Ele não vê a hora de começar a trabalhar no espaço novo. A reabertura será ainda este mês e contará com ambiente comercial, cultural e turístico de Macapá. Serão comercializados alimentos, artesanato, artigos religiosos, assim como café, chopp, sorvetes, e serviços de barbearia, ervaria, relojoaria e outros.

“Estou ansioso, assim como todos os empreendedores. Com a reabertura, esperamos que tudo melhore, que as vendas aumentem, e que o Mercado Central volte a ser um dos pontos mais frequentados de Macapá”, comenta o sapateiro.

Cléia Andrade

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: