AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Brasil ocupa 4ª posição no primeiro índice iberoamericano sobre Govtec

Foram avaliados 16 países sobre uso de soluções digitais e inovadoras

A adoção do isolamento social como forma de combate à pandemia tem reforçado a necessidade de se ampliar a oferta de produtos e serviços à distância, tanto no setor público como no privado. Essa tendência foi percebida também pelo Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), que publicou hoje (13) o primeiro Índice Govtech da Iberoamérica.

Govtech é a infraestrutura tecnológica visando soluções inovadoras adotadas pelos governos tanto para trabalhos internos como para a disponibilização de serviços aos cidadãos.

A análise feita pelo CAF abrange 16 países, no que se refere à “maturidade dos ecossistemas nos quais startups e pequenas e médias empresas inovadoras trabalham com governos para resolver problemas públicos mediante o uso de dados e tecnologias digitais”.

De acordo com o levantamento, o Brasil ficou em quarto lugar, com um índice de 5.256 pontos – atrás apenas de Espanha (6.630 pontos), Portugal (6.283) e Chile (5.367). O quinto lugar ficou com o México, que obteve 5.241 pontos.

De acordo com o CAF, o índice tem como referência 28 indicadores e desenvolve 7 dimensões que são agrupadas em três pilares: startups, governo e compras públicas.

Brasil
A informa aponta que o Brasil se encontra bem acima da média regional (3,41) no pilar startups, com uma pontuação de 5,77 o que, segundo o relatório, “reflete o ambiente criado por uma promissora infraestrutura técnica, por meio da disponibilidade de dados e desenvolvedores de tecnologia”.

Aponta também a existência de um “ambiente regulatório relativamente favorável no país, onde os negócios podem ser iniciados com mais facilidade e talentos provenientes das universidades mais bem aproveitados do que em outros países da região, além de parcerias com indústrias”.

O Brasil obteve, ainda, uma pontuação de 4,84 no pilar relativo ao governo, número que é “pouco acima da média regional”, que está em 4,62. Segundo a CAF, o país tem como ponto positivo os quesitos relativos à prestação de serviços online, o que aponta “elevado nível de interesse em digitalizá-los”.

No pilar compras públicas, o Brasil alcançou pontuação de 5,16, ficando abaixo da média regional, que foi de 5,45. “Uma das explicações para o índice é a falta de confiança nos processos de compras governamentais, impactados negativamente pelos escândalos de corrupção do passado”, diz o documento.

“Embora exista uma legislação robusta sobre o tema, é comum que os processos de compras sejam objeto de investigações. Espera-se que aprovação do Marco Legal das Startups, prevista para curto prazo, crie um impacto positivo no ambiente de compras governamentais brasileiro”, complementa.

Veja também:
Momento Espírita: Uma hora a mais…
Ação ‘Taberna do Bem’ abastece comércio na RDS do Rio Negro e fortalece economia local
Amapá tem 38.801 casos confirmados, 2.667 em análise laboratorial, 26.773 pessoas recuperadas e 606 óbitos

Empréstimos e conhecimento
Segundo o representante do CAF no Brasil, Jaime Holguín, o banco tem uma carteira de US$ 27 bilhões, cabendo ao Brasil uma participação de US$ 2,2 bilhões. “Nossa atuação visa o desenvolvimento sustentável do países. Temos como componente principal as obras de infraestrutura, mas não oferecemos apenas empréstimos. Oferecemos conhecimento”, explicou hoje, ao anunciar os resultados.

De acordo com o executivo da Diretoria de Inovação Digital do Estado, Marcelo Facchina, entre os desafios da entidade está o de dar segurança ao servidor público para abraçar a inovação enquanto política.

Conclusões e recomendações
Com relação ao Brasil, o executivo lista, como principais conclusões, a de que o país é o que possui maior número de empresas govtech, se comparado aos demais países da América Latina. Citou também o fato de o país ter “compromisso com a digitalização do governo e de serviços online”; e o estágio avançado das discussões sobre uma nova lei de compras.

Entre as recomendações ao país, ele destaca a necessidade de se criar uma estratégia nacional ou integrar um eixo govtech na estratégia de transformação digital atual; a mobilização de recursos públicos e privados; reformas regulatórias como a lei das startups e lei de compras públicas para a inovação; e a liberação de recursos para a criação de um fundo e de uma estratégia nacional”

“É também necessária a construção de confiança com os cidadãos para combater os altos índices de percepção de corrupção”, acrescentou.

Diretor da Diretoria de Inovação Digital do Estado, Carlos Santiso, informou que o CAF pretende aplicar o índice na avaliação de 30 grandes cidades ibéricas e americanas. “A ideia é promover empresas locais para soluções locais, aproveitando que a urgência de transformação digital foi reforçada com a crise [decorrente] da pandemia”.

EBC

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: