AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Estados Unidos manifestam disposição de retomar negociações com o Irã

Objetivo é impedir que país desenvolva armas nucleares

Os Estados Unidos (EUA) estão preparados para conversar com o Irã sobre o retorno de ambos os países ao cumprimento do acordo de 2015, que tem o objetivo de impedir que Teerã desenvolva armas nucleares, afirmou o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, a aliados europeus nessa quinta-feira (18).

Em nota conjunta divulgada pelo Reino Unido, a França, Alemanha e os Estados Unidos, os países europeus saudaram a intenção do presidente norte-americano, Joe Biden, de retornar à diplomacia com o Irã.

Após conversas em Paris, das quais Blinken participou por vídeo, os governos afirmaram seu objetivo compartilhado de fazer com o que Irã retorne ao cumprimento total dos compromissos com acordo, conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês).

“O secretário Blinken reiterou que, como o presidente Biden já disse, se o Irã voltar a cumprir estritamente os compromissos do JCPOA, os Estados Unidos farão o mesmo e estão preparados para engajar em discussões com o Irã para esse fim”, disse a nota conjunta.

Veja também:
Resultado de recurso para atendimento especializado do Encceja 2020 está disponível para consultaPais de alunos da rede pública não confiam na segurança sanitária das escolas
Estudantes têm agendado mas não comparecido para o recadastro da meia-passagem, alerta Setap

O Irã começou a violar o acordo em 2019, em resposta à retirada dos EUA sob o governo Donald Trump, e está em um impasse com o governo Biden sobre quem deve agir primeiro para salvar o acordo.

O Irã tem acelerado a violação do acordo nos últimos meses.

Teerã estabeleceu um prazo, para a semana que vem, a fim de que Biden comece a reverter as sanções impostas por Trump, ou irá tomar o maior passo até agora para violar o pacto, proibindo inspeções de última hora da agência nuclear da Organização das Nações Unidas que são permitidas por um protocolo adicional do documento.

Reuters

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: