AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

MP-AP realiza mais uma prisão preventiva no município de Ferreira Gomes

Em continuidade à Operação “Octopus”, o Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio do Grupo de Atuação Especial para Repressão ao Crime Organizado (GAECO/AP) e Núcleo de Inteligência do MP-AP (NIMP), nessa quarta-feira (28), deu cumprimento a um mandado de prisão preventiva, no município de Ferreira Gomes. A ação foi realizada pela coordenadora do GAECO-AP, promotora de Justiça Andréa Guedes, em conjunto com a promotora de Justiça Socorro Pelaes, que também atua na unidade especializada do órgão ministerial. Na ação, uma mulher que estava foragida foi presa e encaminhada ao Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen).

Na última sexta-feira (23), o GAECO/AP, com apoio do NIMP e Gabinete Militar da instituição, e a Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) e Força Tática, cumpriram 50 mandados de busca e apreensão nos municípios de Macapá, Ferreira Gomes, Cutias, Santana, Itaubal e Tartarugalzinho. Na ação, dos 12 mandados de prisão preventiva expedidos pelo juízo da Comarca, seis pessoas haviam foragido, com uma delas sendo presa na ação de ontem.

Veja também:
No dia Mundial da Educação, número de estudantes impactados negativamente pela pandemia impressiona
Contran prorroga prazo para motoristas realizarem exame toxicológico
Comissão da Câmara aprova convocação do ministro da Defesa

A Operação “Octopus” é fruto de investigação iniciada em 2019, que apura o desvio de recursos públicos por uma suposta Organização Criminosa no Estado (ORCRIM), que estaria cometendo crimes de fraude em licitação na Prefeitura do Município de Ferreira Gomes, com a participação de secretários e servidores municipais, cooperativas de transportes e empresários do ramo da construção civil.

Conforme a coordenadora do GAECO/AP, assim como as seis pessoas presas na última sexta-feira, o nome da cidadã presa nesta quarta-feira não será divulgado para não comprometer as investigações que correm em segredo de Justiça. Entre os crimes praticados pela ORCRIM que estão sendo investigados são: fraude à licitação, organização criminosa, falsidade documental e ideológica, corrupção ativa e passiva, prevaricação e lavagem de dinheiro.

SERVIÇO:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá
Gerente de Comunicação – Tanha Silva
Núcleo de Imprensa
Texto: Gilvana Santos e Elton Tavares

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: