Plantas não convencionais são alternativa para alimentação saudável

Plantas como inhame, carararus e mostarda são conhecidas como Pancs e têm a oferta irregular, por falhas na cadeia produtiva. Especialista da Embrapa descreve, no CB.Agro desta sexta-feira (02), as características desses alimentos

Muito provavelmente, você ainda não reparou nesse tipo de produto na gôndola do supermercado. Trata-se das plantas alimentícias não convencionais, conhecidas pela sigla Pancs. Esses alimentos saem do campo sem uma cadeia produtiva estruturada, por isso têm uma oferta limitada e sazonal. Especialista em Pancs, o pesquisador da Embrapa Hortaliças Nuno Rodrigo Madeira comentou sobre as características desses produtos no CB.Agro, uma parceria do Correio Braziliense e da TV Brasília. O programa foi ao ar nesta sexta-feira (2/7) e está disponível nas redes sociais.

Rodrigo Madeira ressalta que a oferta irregular é a primeira característica das plantas não convencionais. “Alimentos convencionais como alface, batata, cebola, tomate, arroz, feijão, milho, encontramos sempre. As plantas não convencionais, por sua vez, carecem de cadeia produtiva estruturada. Elas têm o arcabouço regional muito forte. Podem ser comuns em uma determinada região, mas não são globalizadas. Não são conhecidas de uma forma generalizada, como o inhame, carambola, carararus e mostarda”, explica.

Durante a pandemia, segundo Rodrigo Madeira, houve maior interesse no consumo pelas Pancs. A ideia de manter uma alimentação saudável se harmoniza com o perfil nutricional desses produtos. “Muitas delas têm características nutricionais interessantes, de compostos funcionais. Elas são, em geral, muito ricas, por serem plantas mais rústicas, mais resilientes”, observa o pesquisador da Embrapa.

Ele enumera outros elementos típicos das Pancs. “Elas não se utilizam, por exemplo, adubação em excesso. E podem prosperar mesmo no ambiente adverso. Às vezes, numa fresta de calçada, você tem uma produção de uma planta que pode, se houver condições de higiene, por exemplo, servir de alimento”, completa Madeira.

Veja mais no Correio Braziliense

Para adquirir o e-book "Fotografia da Amazônia" basta contactar o fotógrafo pelo WhatsApp no (96) 3333-4579. A coletânea está no valor de R$ 30.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: