Educa

Obras de interligação do sistema CEA ao sistema nacional estão em fase final

14/01/2015 – A Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) segue com as obras que vão permitir a conexão do Estado do Amapá ao Sistema Interligado Nacional (SIN). De acordo com a Companhia, 95% das obras de rebaixamento que vem do Linhão do Tucuruí já estão prontas. A previsão é que até o dia 20 de janeiro todo o trabalho esteja concluído.

Devido a uma série de contratempos, como a aquisição de materiais, equipamentos e logística, a empresa contratada para realizar o serviço não conseguiu atender a CEA no prazo estipulado para fazer a interligação no ano passado, como estava previsto. Entre os dias 20 e 25 de janeiro a Companhia realizará os testes necessários para interligar as subestações e, em seguida, efetivar a interligação do Amapá com o Sistema Nacional, que deve ocorrer até o final de janeiro.

A Companhia de Eletricidade está investindo nessa primeira etapa R$ 42 milhões, nas obras necessárias para a interligação. Após o processo de interligação ao Sistema Nacional, a CEA começa a preparar processo licitatório para construção das obras de reforços, cujos investimentos previstos estão orçados em R$ 191 milhões. A obra prevê a construção de três novas subestações, sendo duas na capital e uma no município de Santana, além da construção de 24 novos alimentadores.

As obras de rebaixamento que vão possibilitar a interligação do Amapá com o Sistema Interligado Nacional (SIN), vão trazer melhorias na qualidade da energia elétrica ao Estado, que passará a dispor de energia firme, continua e de qualidade, eliminando sua dependência de usinas térmicas movidas a óleo diesel.

Para a diretoria da Companhia de Eletricidade, a integração do Amapá ao SIN faz parte de todo um processo de recuperação da CEA, que vem sendo cumprido em suas etapas, de acordo com as disponibilidades financeiras programadas com as liberações dos empréstimos efetuados.

Serviço: Ascom/CEA

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: