Educa

SIMS atende famílias atingidas pela febre chikungunya em Oiapoque

Educa

Desde segunda-feira, 2, uma equipe de assistentes sociais da Secretaria de Estado de Inclusão e Mobilização Social (SIMS) está no Oiapoque prestando assistência aos moradores atingidos pela febre chikungunya. A força-tarefa é coordenada pela secretária-adjunta de Políticas de Assistência da Gestão, Patrícia da Silva.

O município passa por uma epidemia da doença, desde setembro de 2014, com mais de dois mil casos confirmados pela Vigilância Sanitária. Em função disso, o governo do Estado determinou que a SIMS prestasse auxílio socioassistencial, em caráter emergencial, no município.

De acordo com Patrícia da Silva, as pessoas que contraíram a febre chikungunya, além de assistência médica, necessitam de amparo social, pois a febre compromete o trabalhador, que fica impossibilitado de sustentar a família.

"A chikungunya tem sintomas parecidos com os da dengue, só que mais fortes. Ela ataca as articulações e o trabalhador não consegue exercer suas atividades, deixando as famílias em risco social. É por isso que a SIMS veio ao município e está concedendo auxílio-alimentação e meio salário mínimo aos atingidos pela febre", explicou.

Atuando em parceria com a Defesa Civil, os assistentes sociais realizam a visitação de casa em casa nas áreas de risco e verificam as condições dos moradores. Na atual gestão, a secretaria já atendeu 176 famílias, garantindo os benefícios enquanto durar a enfermidade.

A ação da SIMS em Oiapoque terá duração de dois meses, mas pode ser estendida de acordo com a necessidade do local. Nesse período, três assistentes sociais serão mantidos e substituídos, semanalmente, para atuarem em conjunto com a Defesa Civil.

Para a secretária-adjunta, a ação conjunta é a chave para conter a epidemia e auxiliar os moradores atingidos pela febre. Ela garantiu que a SIMS prestará contas do resultado da operação em Oiapoque. "Em duas semanas vamos realizar uma audiência pública para mostrar os resultados da ação no município e estudar novas estratégias, caso seja necessário".

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.