AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Empresas petrolíferas compartilham experiência e perspectivas de atuação no Amapá

Os debates ocorrem durante seminários, palestras e mesa-redonda até o dia 7 de novembro na 51ª Expofeira do Amapá. Nesta semana, empresas petrolíferas demonstram à empresários, jornalistas e demais interessados, como cada uma atua dentro do mercado, as perspectivas de produção e formas de comunicação e divulgação do setor.

Durante as explanações é possível conhecer as três fases de atuação deste mercado. As empresas Total E&P, Queiroz Galvão e BP já instaladas no estado realizam neste primeiro momento a fase de exploração da Bacia da Foz do Amazonas, com pesquisas e prospecções de futuras produções. Juntas, elas deverão perfurar 12 poços para exploração.

Os palestrantes foram unânimes em dizer que a costa do Amapá já havia sido explorada antes, porém nunca foi comprovada a presença de poços para produção. As atividades foram retomadas na área, por conta de novas expectativas iniciadas a partir de novos estudos. Com a evolução tecnológica, agora é possível obter um estudo sísmico da região que proporcione feições mais detalhadas do espaço a ser explorado.

Nesta fase é necessário obter todas as questões de logística e processos ambientais. Até agosto de 2018, as empresas pretendem melhorar o acesso à região do Oiapoque, com a criação de uma base aérea e novas linhas de transporte fluvial. “Esta é a primeira vez que empresas se reúnem para fazer um estudo ambiental em conjunto. O principal ponto aqui é trazermos informação; esta é uma indústria muito complexa que tem milhares de aspectos diferentes e desconhecido”, explica Ivan Simões Filho, vice-presidente de Relações Institucionais da BP.

No total serão 12 poços a serem perfurados, dois (2) sobre a concessão da Empresa BP, um (1) pela Queiroz Galvão e nove (9) da empresa Total E&P. A expectativa é de que a primeira produção aconteça daqui há 10 anos, após a primeira exploração. “Agora estamos no processo de licenciamento ambiental, com a expectativa de estar conseguindo a licença até setembro de 2016. A partir daí, iniciaremos a preparação para perfuração dos poços de pesquisa de exploração nos nossos blocos. Temos o compromisso de perfurar nove (9) poços até o final do contrato de concessão que termina em agosto de 2018, explica Cláudio Costa, gerente de Saúde, Segurança e Meio Ambiente e Políticas Industriais da Total E&P.

Integração

Num momento único durante a 51ª Expofeira, as empresas puderam destacar a importância do Setor do Petróleo para o estado.

Segundo o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Mateus Silva, esse é o momento de serem acenadas possibilidades do setor de petróleo e deixar claro quais os conceitos. “O que a gente precisa é entender o que está sendo mostrado, quais serão as fases na exploração e produção de petróleo, é necessário agregarmos conhecimento, novo idioma, melhorar o turismo local e divulgação da cultura, é fato que nós sempre teremos os outros apelos de outros setores”, explicou o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Mateus Silva.

Para o gerente de Exploração da Queiroz Galvão, César Augusto Guimarães, o momento é bastante oportuno para mostrar o trabalho da empresa, seu serviço de exploração e produção, e contexto dela como empresa nacional. “É muito importante compartilhar e mostrar nossa experiência e o que pretendemos fazer. Gostaríamos de mais uma vez parabenizar os organizadores desta programação, um momento inédito para nós”, ressalta o gerente de Exploração da Queiroz Galvão, César Augusto Guimarães.

“Acho excelente esta oportunidade do Sebrae. Aqui nós podemos apresentar ao público a empresa e o empreendimento que ela está querendo no estado. Receber este retorno da sociedade para poder explicar mais sobre nosso empreendimento, tirar dúvidas é importante para complementar todo trabalho que estamos fazendo ao longo do processo de licenciamento ambiental e gerenciar as potenciais expectativas”, disse Cláudio Costa.

“As pessoas em geral não sabem o que esperar, existe muita desinformação, e nós estamos aqui pra trazer este conhecimento. Este evento permite o debate, assim como conhecerem muito mais sobre a empresa durante a exposição aqui dentro do Pavilhão de Negócios”, explica Ivan Simões.

Capacitação

Como método de formação o Instituto Brasileiro de Petróleo Gás e Biocombustíveis (IBP), realizou junto aos jornalistas e convidados a oficina de petróleo, a oficina abordou temas como cadeia de petróleo e gás, e as fases necessárias para chegar até a produção do petróleo comercial. Assim como o debate sobre licenciamento ambiental.

“O Amapá é hoje um estado onde estão se levantando oportunidades de exploração de petróleo. Aproveitamos este grande evento para realizar essa oficina com jornalistas. É importante para o jornalista está informado sobre o assunto, as complexidades, e é isso que estamos fazendo aqui”, destaca Rosangela Nucara, gerente executiva de relações institucionais da IBP.

Para o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Mateus Silva, essa é uma oportunidade de afinar a linguagem e deixar toda comunidade esclarecida. “A medida que nós temos o esclarecimento, a imprensa deve ser um órgão extremamente difusor em seu papel, e que leve esclarecimento e faça com que as pessoas tenham as suas deduções e não sejam facilmente conduzidas e possam tirar conclusões precipitadas, pois apenas com o conhecimento e educação é que nós teremos um povo desenvolvido”, finaliza o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Amapá, Mateus Silva.

A Oficina de Petróleo vem sendo realizada nesse formato desde 2006, e alguns estados do Brasil já foram contemplados.

Programação

Data: 7.11.2015

Seminário: Cenários e perspectivas de negócios do Setor de Petróleo e Gás

Horário: 9h às 12h

Local: Auditório – Pavilhão de Negócios

Investimento: Gratuito

51ª Expofeira

A 51ª Expofeira do Amapá é uma realização do Governo do Estado e Sebrae. O evento ocorre no Parque de Exposições da Fazendinha, no período de 30 de outubro a 8 de novembro. Da área total de 120 mil metros quadrados, serão ocupados 116 mil. A concepção da 51ª Expofeira é transformá-la em feira de negócios, dando ênfase ao desenvolvimento econômico do estado. Dois eixos estarão em evidência – Produção de Alimentos e Produção Florestal.

Em 2015 o evento conta com o patrocínio do Banco do Brasil, CAIXA, Banco da Amazônia e Sicoob CredEmpresas-AP e apoio da Associação Comercial do Amapá (ACIA), Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) e Consórcio Equador.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: