Polícia Federal deflagra terceira fase da ‘Créditos Podres’ em Macapá

Educa

Mais de 40 policias cumpriram mandados de prisão em Macapá e Santana. Operação investiga esquema de negociação de créditos inexistentes.

 

Abinoan Santiago – G1 Amapá

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira (24), em Macapá e Santana, no Amapá, a terceira fase da operação ‘Créditos Podres’, que investiga esquema de negociação de créditos inexistentes e tentativas de compensações tributárias indevidas junto ao fisco federal.

Nesta etapa, foram expedidos pela Justiça Federal do Amapá dois mandados de prisão preventiva, três mandados de prisão temporária, três mandados de condução coercitiva e doze mandados de busca e apreensão nas duas cidades. Cerca de 45 policiais participaram da ação. Uma coletiva de imprensa está marcada para às 11h.

Segundo nota emitida pela Polícia Federal, a nova fase da operação é um desdobramento da investigação e tem como foco as pessoas e empresas que receberam valores advindos da empresa contratada pela Assembleia Legislativa do Amapá no ano de 2015, “provavelmente para a lavagem de dinheiro e repasses”, diz a polícia.

A primeira fase da operação ocorreu no dia 4 de agosto de 2015, com foco nos sócios da empresa que, segundo a PF, “negociou créditos previdenciários inexistentes junto a Assembleia Legislativa do Amapá”. À época foram expedidos dois mandados de prisão preventiva, cinco mandados de busca e apreensão e um mandado de condução coercitiva para serem cumpridos nas cidades de Macapá e Ananindeua, no Pará.

A segunda fase ocorreu no dia 7 de outubro de 2015, com foco nos servidores públicos diretamente envolvidos com a licitação que culminou com a contratação da empresasupostamente pivô do esquema criminoso. Foram cumpridos sete mandados de condução coercitiva, sete mandados de prisão temporária e doze mandados de busca e apreensão nas cidades de Macapá e Santana, e região metropolitana de Belém.

Amazônia Brasil Rádio Web ao vivo!

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.