Mulheres fazem greve em Macapá para chamar atenção sobre violência

Realizado paralelamente em mais de 50 países, movimento chama a atenção quanto à violência contra a mulher e a necessidade de ampliação do espaço feminino no mercado de trabalho

Coordenadora do evento, Alzira Nogueira. Foto: Diário do Amapá

As mulheres do Amapá aderiram à greve deflagrada em mais de 50 países nesta quarta-feira, 08, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher. De acordo com a coordenadora do movimento no estado, a assistente social e colaboradora da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Alzira Nogueira, o objetivo é chamar à atenção quanto à necessidade de se combater a violência doméstica e a necessidade de ampliação do espaço feminino no mercado de trabalho.

Ao programa LuizMeloEntrevista (DiárioFM 90.9), ela falou sobre a necessidade de fazer valer os direitos da mulher e de denunciar o que chamou de “sistema de violência” que afeta a vida das mulheres: “Nós, mulheres, hoje, estamos em greve geral em mais de 50 países porque não podemos continuar convivendo com tanta violência que altera de forma monstruosa o nosso dia a dia. Por isso temos que partir para o enfrentamento e buscarmos a conquista de mais espaços no mercado de trabalho através da luta politica organizada, da afirmação política. Temos, por exemplo, a Lei Maria da Penha, que é maravilhosa, temos avanços consideráveis, mas temos ainda batalha muito grande para superar esse grande hiato que está entre a Lei e a vida material das mulheres”.

A coordenadora do movimento das mulheres no Amapá lembrou estatísticas oficiais dando conta de que em cada 10 minutos uma mulher é assassinada por seu companheiro ou ex companheiro em todo o Planeta: “Esses dados são alarmantes, revestidos por atos por uma monstruosidade muito grande; além disso, há uma grave desigualdade entre os gêneros em todas as esferas da vida coletiva por causa de uma condenável visão heteropatriarcal; e para combatermos essa anomalia temos que desenvolver esforços conjuntos para a construção de um forte e eficiente marco jurídico para proteger as mulheres”.

Continue lendo no Diário do Amapá

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: