Navio com 50 milhões de litros de petróleo encalha no Rio Amazonas

Um navio carregando 50 milhões de litros de petróleo encalhou no Rio Amazonas, no estado do Amapá. O acidente ocorreu na terça-feira (15), a cerca de 64 quilômetros de Macapá, na região conhecida como barra norte do Rio Amazonas, um canal de ligação entre os portos da Amazônia e o Oceano Atlântico muito usado por cargueiros do mundo todo.

Bancos de areia existentes na região ocasionaram o encalhe e havia um risco de ruptura do casco, segundo avaliou o serviço de praticagem do estado, por causa do ritmo intenso de subida e descida da maré, que poderia danificar a estrutura da embarcação.

O trecho onde o navio Wisby Atlantic, das Bahamas, bateu contra um banco de areia e ficou preso tem uma profundidade de até 14 metros, mas como a embarcação estava do lado errado do canal, acabou encalhando. O petroleiro tem 183 metros de comprimento e 32 metros de largura.

Nesse local, a presença de um prático a bordo é opcional. O prático é aquele profissional responsável pela condução e manobra de navios próximos a trechos de costas, baías e portos, garantindo a segurança das embarcações e evitando tragédias marítimas. Trata-se de um serviço privado.

O navio foi retirado com a ajuda de um rebocador das Companhias Docas de Santana, que é um porto particular do estado. A embarcação terá que aguardar por uma inspeção das autoridades marítimas, informou a capitania dos portos.

Ainda de acordo com a capitania, foi emitido um alerta na semana passada para navios que estavam naquela, sobre os riscos de navegação, por causa dos bancos de areia que haviam sido identificados.

O serviço de praticagem do Amapá ressaltou que defende que, em toda a região costeira do estado, a presença de um prático nas embarcações seja obrigatória.

Por Arilson Freires, Rede Amazônica, Macapá

Do G1 Amapá

Um comentário em “Navio com 50 milhões de litros de petróleo encalha no Rio Amazonas

  • maio 17, 2018 em 5:20 pm
    Permalink

    O povo tem que se mobilizar!

    Isso é um crime contra a humanidade!

    Resposta

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.