Educa

Somos todas EMILY: mulheres e entidades se reúnem para pedir pelo fim dos casos de feminicídio no Amapá

Da Redação – Acontece neste sábado (18) a Caminhada em homenagem a cabo da Polícia Militar, Emily Miranda, que foi morta pelo próprio companheiro, o soldado da PM, Kássio Mangas. O objetivo da caminhada é chamar atenção para o número cada vez mais alto de casos de violência contra a mulher e de feminicídio que vem ocorrendo no Amapá e no Brasil. O caso de Emily foi o estopim, após tantas notícias de violência contra as mulheres, e fez com que muitas mulheres e entidades se reunissem a fim de questionar estas práticas e pedir pelo fim da morte de mulheres em todo o país.
Nas redes sociais, o caso tem mobilizado muitas pessoas, chegando a criação da página “Somos todas EMILY” no Facebook, que divulga casos de violência contra a mulher e alerta a todos para o caso de conhecerem alguma mulher que seja vítima ou ajudar a própria vítima. O caso Emily foi alvejada com 03 tiros, que acertaram o peito, coxa e abdome. Segundo a polícia, Emily teria terminado o relacionamento com o soldado no último domingo (12) ainda pela manhã. No entanto, no fim da tarde Kássio teria voltado à casa de Emily e a matado. Após cometer o crime, o soldado saiu calmamente do local e fugiu no carro da vítima. Após quase 48 horas, ele se entregou na Delegacia de Crimes Contra a Mulher (DCCM) e disse não se lembrar de muita coisa, além de afirmar que estaria arrependido. O advogado de defesa do soldado entrou com um pedido de Habeas Corpus, para que Kássio respondesse o caso em liberdade, mas o pedido foi negado pelo Tribunal de Justiça do Amapá. Agora o autor do crime segue em prisão preventiva. A caminhada acontece a partir das 18h, com concentração na Praça da Bandeira. O ato terminará em frente à Catedral de São José de Macapá, no Centro da Cidade. Para mais informações, acesse a página “Somos todas EMILY” no Facebook. FOTOS CHICO TERRA

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.