Promotora inspeciona e constata precariedade em Escola de Vitória do Jari

A titular da Promotoria de Justiça do Ministério Público do Amapá (MP-AP), em Vitória do Jari, promotora de Justiça Thaysa Assum, realizou, no último dia 19 de junho, uma vistoria na Escola Estadual Teotônio Brandão Vilela. Durante a inspeção foi constatada a precariedade nos ambientes da instituição de ensino.

Na ocasião, Thaysa Assum também visitou o prédio original da Escola, na Passarela Jose Simão, n. 1179, bairro da Mina em Vitória do Jari, onde funciona atualmente apenas a Secretaria da instituição de ensino.

Conforme a promotora de Justiça, o educandário está funcionando em três espaços diferentes desde abril deste ano. Na própria sede da instituição de ensino; no prédio da Associação de Pais e Amigos Excepcionais (APAE), onde há aulas de manhã e à tarde, atendendo 162 alunos e no edifício da Escola Municipal Álvaro Marques, no período noturno, atendendo cerca de 200 alunos.

Dentre os problemas encontrados nos prédios, estão:

No Prédio da APAE foi constatado a ausência de quaisquer equipamentos contra incêndio; não há ventiladores ou aparelhos de ar condicionado suficientes em funcionamento nas salas de aula, capazes de prover adequadamente sua ventilação ou resfriamento; não há biblioteca, nem quadra poliesportiva; não existe sala de atendimento especializado, embora o educandário atenda a alunos com necessidades especiais e não possui computadores em número suficiente e em efetivo funcionamento para os alunos.

Já no ambiente da Escola Municipal Álvaro Marques, verificou-se que o espaço também não possui ventiladores ou ar condicionado suficientes em funcionamento nas salas de aula, capazes de prover adequadamente sua ventilação ou resfriamento, o que prejudica a concentração de alunos e professores.

Com relação ao prédio original, este é construído em madeira, sob palafita e possui quase 30 anos. Foi constatada a ausência de quaisquer equipamentos contra incêndio; não há ventiladores ou ar condicionado suficientes em funcionamento nas salas de aula a fim de climatizar adequadamente as salas; não há biblioteca, quadra poliesportiva; o sistema elétrico está desgastado e uma sala possui computadores que não estão sendo utilizados.

“O estado dos ambientes escolares é crítico, sendo que o espaço está bastante comprometido e afetado pelo tempo. As tábuas de assoalho estão cheias de fendas, inclusive dentro das salas de aula. Há vigas de madeira quebradas. Grande parte da escola foi tomada por cupins e marimbondos. Por ser num ambiente alagado, não tem como fazer uma saída de emergência. A partir desta inspeção tomaremos todas as medidas cabíveis para a reconstrução da Escola e para que os problemas sejam solucionados o mais breve possível. É dever do MP-AP garantir uma educação digna para crianças e jovens”, ressaltou a promotora.

A ação foi realizada para instrução do Inquérito Civil Nº. 0000183-36.2018.9.04.0012. A inspeção contou com o acompanhamento das conselheiras do Conselho Municipal de Educação, Claúdia Noronha (presidente da instituição) e Cíntia Daniela da Silva, além da diretora da Escola, Márcia Souza e diretora adjunta, Marclyjane da Silva.

Luanderson Guimarães
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá

Amazônia Brasil Rádio Web ao vivo!

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.