Cinco escolas de samba abrem primeiro dia de desfiles em Macapá

Com muita emoção, brilho, sons, nostalgia e felicidade! Foi assim o retorno do Desfile das Escolas de Samba em Macapá. Após quatro anos sem esse grande espetáculo carnavalesco e que faz parte da história cultural do Amapá, a primeira noite de desfile foi marcada com a apresentação de cinco escolas de samba na Passarela no Meio do Mundo, nesta sexta-feira, 21.

As agremiações abrilhantaram e o público presente prestigiou e incentivou as escolas cantando junto cada samba enredo. A Associação Recreativa Escola de Samba Império do Povo foi a primeira a se apresentar, trazendo o enredo “Na Passarela Azul o Autista não é Diferente. Diferente é o Mundo que Queremos”, que, mesmo sob forte chuva, levantou as vozes das arquibancadas e emocionou a todos.

Fotos: Max Renê / Gabriel Flores / Henrique Silveira

“Topamos realizar o carnaval, desde que a iniciativa privada entrasse no circuito, e conseguimos. E o resultado é esse: geração de emprego e renda. Conversei com vários empreendedores e estão todos animados, organizados, trabalhando com dignidade, vendendo diversos tipos de produtos. A cadeia produtiva do Carnaval atinge desde as atividades mais estruturadas como hotelaria, restaurantes, lojas, e também os empreendedores populares, vendedores de lanche de bebida, serralheiros, artistas plásticos, músicos, é uma extensa cadeia”, disse o prefeito de Macapá, Clécio Luís.

“Montamos uma estrutura, onde a prefeitura não gastou um centavo. É toda da iniciativa privada em parceria com a Liga Independente das Escolas de Samba. Entramos com todos os serviços da prefeitura. O apoio do senador Davi, deputado Vinícius Gurgel, Governo do Estado e o patrocínio do Banco do Brasil e Governo Federal foram decisivos para a gente fazer essa festa bonita. As escolas deram o carnaval, que é do povo”, enfatizou o prefeito.

Para o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre, a volta do desfile era aguardada por todos. “Nós, amapaenses, aguardávamos pelo retorno da nossa tradição, da nossa cultura, e a gente conseguiu construir esse ambiente de unidade entorno de uma festa que faz parte do nosso Amapá. Trabalhamos muito, sensibilizamos o setor privado para que ele pudesse participar. Esse sonho que se concretiza este ano foi sonhado em 2019, quando a gestão municipal decidiu retomar o desfile. Além do mais, a gente sabe o que movimenta no Amapá como empreendedorismo, emprego e renda. São vários atores como a bancada federal, nossa articulação, na figura do governo, e liderança do prefeito”, contou.

Com o questionamento se o dinheiro traz ou não felicidade e até onde a força do capital interfere em nossas vidas, o Grêmio Recreativo Escola de Samba Emissários da Cegonha foi a segunda agremiação a entrar na passarela com o enredo, “Teu ‘Faz me rir’ traz ou não Felicidade?’’. A Associação Recreativa de Samba Solidariedade foi a terceira a se apresentar. Ela apostou na história e na trajetória da Princesa Isabel para permanecer na elite do carnaval amapaense, o tom imperial e com referências à África e Europa coloriram o desfile. A agremiação sacudiu as arquibancadas, mexeu com o público, que estava com o enredo na ponta da língua.

A presidente da Liesap, Lizete Jardim, não escondeu a felicidade e agradeceu. “Este momento é incrível, o retorno do desfile está acontecendo. Essa festa é uma soma de esforços, prefeitura, Liesap, Companhia Ítalo Todde, bancada federal, senado, governo, nos unimos com um único objetivo, fazer uma festa bonita, trazer alegria à nossa população e fazer um lindo espetáculo. Acho que cumprimos nosso papel. Todos os envolvidos foram fundamentais durante todo processo”, concluiu.

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Piratas Estilizados passou na avenida com o enredo “Xô preconceito, queremos respeito”. A escola, com mais de 900 brincantes, destacou a mensagem que todos são iguais, levando em suas alas temas como: a fé e religiosidade, igualdade de gêneros, justiça, consciência humana e os direitos constitucionais. Um dos momentos mais ousados foi a paradinha técnica da bateria, mostrando que o público estava com o samba enredo na ponta da língua. Um destaque internacional foi a presença de Isis Goulart, Miss Gay Universo 2017.

Boêmios do Laguinho fechou a primeira noite de desfile valorizando os elementos que compõem o legado do folclore, artesanato, dança, culinária, linguajar, literatura, rituais, musicalidade, poesia.  Desde o andar, ginga e gestos, encheu a passarela de costumes, fé, toque de tambor e outras tradições enraizadas. O enredo “Belezas Africanas: dádivas que a Mãe África mandou” é o mesmo que seria apresentado em 2016 e estava aguardando este momento.

De acordo com Eduardo Todde, da Cia. Ítalo Todde, responsável por toda estrutura da Passarela no Meio do Mundo, o primeiro dia de desfile foi um sucesso. “Nossa empresa é especializada e reconhecida no mercado. Nos preparamos e montamos toda essa estrutura para proporcionar esse lindo espetáculo, e conseguimos realizar uma festa bonita junto com a Prefeitura de Macapá e Liesap”, ressaltou.

Investimento

A realização do desfile das escolas de samba é da Prefeitura de Macapá, Liesap e iniciativa privada, com apoio do senador Davi Alcolumbre. O evento conta também com recurso de emenda parlamentar do deputado federal Vinícius Gurgel. A festa conta ainda com apoio do Governo do Estado, patrocínio do Banco do Brasil e Governo Federal.

Secretaria de Comunicação de Macapá

Amazônia Brasil Rádio Web ao vivo!

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.