Terreiro de Candomblé é invadido e destruído em Macapá e Pai de Santo acusa ex-esposa

O fato ocorreu no Conjunto da Embrapa e a polícia investiga o caso que foi informado via e-mail para a nossa redação

Conteúdo do e-mail

“Um dos tempos de Candomblé mais antigos de Macapá, que fica no conjunto Empapa sofreu invasão e destruição.

O Babalorixa Pai Claudio de Oxóssi, disse que quebraram tudo: “Destruíram todo o nosso templo religioso, imagens, vestimentas tudo foi destruído e ainda furtaram objetos armados com picaretas quebraram as paredes, as casas dos caboclos, seis banheiros do templo uma brutal e descabida intolerância religiosa,

“já fui a delegacia e fiz ocorrência, a polícia civil está investigando e a polícia técnica fez a pericia” desabafou em pranto o Babalorixa.!=”

Outra versão

Após recebermos denúncia que quem causou a destruição do templo foi a ex-mulher de Pai Cláudio que a traía e ela teve um surto psicótico causando toda a quebradeira. procuramos o Babalorixá, que confirmou a participação da sua ex Silvia Karen Silva Ribeiro, serventuária da justiça que segundo o mesmo tinha ciúme doentio inclusive de conversas com clientes da atividade que exerce como corretor. Claudio garantiu que não a traia, qe morava em sua residência e que levada por sentimento de vingança, Karen deu declaração falsa a justiça e conseguiu incrimina-lo pela lei Maria da Penha.

Ouça o áudio de Pai Claudio:

O fato ocorreu em novembro do ano passado mas somente veio a tona agora em abril de 2020, pois segundo Cláudio ao ser indagado se o fato aconteceu ontem, nos deu de próprio punho a seguinte resposta:

“Não. Isso aconteceu em novembro, e tive que entrar com documentos na justiça, e você sabe que demora, até que após verificado pela justiça o juiz mandou eu voltar para o yle OJÚ D’OXOSSI , o que aconteceu a um mês nossa volta. Porém esse tempo que levou até nossa volta, foi destruído muita coisa.”

Após todo o ocorrido, Cládio solicita a comunidade que ajude na reconstrução do Ilê que ainda está parcialmente destruído.

Procuramos por Karen Silva via rede social, mas até o fechamento dessa matéria não hove retorno para que ela manifestasse sua versão dos fatos.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: