Chuvas intensas matam mais de 20 pessoas na China

Mau tempo atinge o sul do país. Mais de 1.300 casas foram destruídas

Pelo menos 20 pessoas morreram e milhares ficaram desabrigadas no sul da China devido a inundações e deslizamentos de terra, informaram hoje (11) autoridades.

As chuvas torrenciais que atingiram o sul do país desde o início do mês destruíram mais de 1.300 casas e desalojaram quase 230 mil pessoas, segundo a agência noticiosa oficial Xinhua. Na região de Guangxi, seis pessoas morreram e uma está desaparecida.

As ruas da cidade de Yangshuo, conhecida pelas formações cársticas, ficaram submersas, num novo golpe para a região, dependente do turismo, e já afetada pela pandemia de covid-19.

Mais de mil hotéis e pousadas ficaram inundados, bem como 30 pontos turísticos. Moradores e visitantes tiveram de ser retirados em canoas de bambu.

Veja também:

Amapá tem 14.623 casos confirmados, 10.700 em análise laboratorial, 6.717 pessoas recuperadas e 289 óbitos

SENAI Amapá oferta 300 vagas gratuitas para cursos de aperfeiçoamento profissional

Inmetro muda revisão obrigatória de taxímetros e reduz burocracia

A província vizinha de Hunan registrou 13 mortos, enquanto a região de Guizhou contou oito óbitos. Novas chuvas são esperadas nos próximos dias.

As inundações sazonais causam todos os anos grandes danos nas regiões mais baixas dos principais sistemas fluviais da China, sobretudo, nos rios Yangtse e das Pérolas.

As autoridades procuraram reduzir os desastres através do uso de barragens, particularmente a enorme estrutura das Três Gargantas, no rio Yangtse.

As piores inundações da China nos últimos anos foram em 1998, quando mais de duas mil pessoas morreram e quase três milhões de casas foram destruídas.

EBC

Para adquirir o e-book "Fotografia da Amazônia" basta contactar o fotógrafo pelo WhatsApp no (96) 3333-4579. A coletânea está no valor de R$ 30.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: