Sambarte: 30 anos de samba na Amazônia

Os primeiros ensaios de invasão dos colonizadores europeus na Amazônia, são apontados a partir de meados do século XVII. Por aqui, ingleses e holandeses já tinham como objetivo, através da mão de obra escrava o cultivo de cana-de-açúcar e, em meio a esse interesse, foram os responsáveis pela introdução dos primeiros negros escravizados na região amazônica. 

Já no Amapá, no século XVIII, a construção da Fortaleza de São José de Macapá, a chegada de famílias portuguesas e africanas na Nova Mazagão, além da criação do Território Federal do Amapá, em 1943, foram uma importantes na formação social, política e cultural da população amapaense.  

A cultura se efervesce com os tambores africanos do marabaixo, ritmo genuinamente amapaense cantado nas rodas de celebração dos festejos de cunho católico em devoção aos santos de comunidades quilombolas e ribeirinhas do Estado do Amapá.  

Além do marabaixo, por aqui, ecoam-se tambores na levada do batuque, zimba, sairé, tambor de crioula e outros sons que se misturam aos ritmos caribenhos encontrados na fronteira Brasil – Guiana Francesa, localizada no Oiapoque, região extrema no norte do Brasil. 

Em Macapá, esses tambores da “África Mãe”, foram fontes de inspiração dentro da musicalidade Tucuju, primeiro na década de 1950, com o surgimento de blocos carnavalesco e escolas de samba, e depois com a imersão de grupos que faziam as rodas de samba e pagode, como o “Bandeira do Samba”, formado em 1986, por Carlos Pirú, Pedro Ramos, Adelson Preto, Aureliano Neck, Bibi, Carlinhos Bababá e tempos depois compondo o “naipe” de artistas, Espiga do Cavaco, Edson, Nonato Soledade e Lincolin. Essas batucadas noturnas se proliferaram nos bares e casas de shows se fortalecendo no “Boteco da Tia Wilça” em 1989, quando foi criado o Movimento Cultural do Samba. 

Em 1991, os sambistas amapaenses dão um “Upgrade” na cena da musicalidade regional e criam o “Projeto SAMBARTE” com a finalidade de valorizar o cancioneiro da Amazônia, incentivando todos os pagodeiros, sambistas, partideiros e amantes do ritmo através de músicas autorais, chega, portanto, o “I FESTIVAL DE SAMBA E PAGODE DO AMAPÁ”   

O “Projeto Sambarte” que mais tarde viraria, “Grupo Sambarte”, foi responsável pela realização de grandes festivais de samba e pagode dentro do Estado do Amapá, nas três primeiras edições, o projeto revelou grandes artistas para a Amazônia e o Brasil.  

Nesta leva de grandes sambistas, em 1991, temos o primeiro samba campeão do Festival. De autoria dos compositores Osmar Jr e Heraldo Almeida, o samba “Ainda Laguinho”, que nos dias de hoje segue sendo considerado o hino do bairro negro de Macapá, é tocado e cantado nos bares e rodas de samba da capital do meio do mundo. 

Em 1996, com Tayson Tyassu, Illan do Laguinho (in memorian), Aureliano Neck, Nonato Soledade, Carlos Pirú e Adelson Preto, o Projeto Sambarte gravou num total de três, seu primeiro CD, com uma coletânea de dezesseis sambas e pagodes cem por cento amapaense, inserindo nossos ritmos como o marabaixo e o batuque, além de letras inéditas que retratam nossos costumes e tradições. Após a primeira formação do Grupo, ainda passaram pelo Sambarte, Robson do Cavaco, Joatã Santarém e Macunaíma (in memorian). 

Outros campeões de festivais foram: em 1992, “Beijo de Judas” de Aurelino Neck e Nonato Soledade; 1993, “De Tudo Valeu” de Aureliano Neck; 1995, “Amor Gostoso” de Adelson Preto; 1997, “Próximo Verão” de Robson do Cavaco; 1998, “Encontros” de João Ataíde, Josimar Almeida e Paulo Albuquerque e em 2008, “Canoa Furada” de Adelson Preto. 

Com as músicas sendo tocadas nas emissoras de rádio e TV, “os meninos” resolvem subir nos grandes palcos de Macapá, e tornaram-se, historicamente, o primeiro grupo de samba e pagode a fazer um show dentro do Teatro das Bacabeiras, em maio de 1997. E em outros Estados, abriram grandes eventos e shows de sambistas renomados como Leci Brandão, Almir Guineto, Jorge Aragão, entre outros. O Sambarte atravessou as fronteiras do Brasil, tocando nosso samba e pagode na Guiana Francesa. 

Nesses 30 anos de relevantes serviços prestados ao samba Tucuju, o grupo faz parte de uma galeria de imortais na raiz do samba e na continuidade e respeito por nossos costumes e tradições.  

Para celebrar esses 30 anos de musicalidade, o Grupo Sambarte fará um show com a gravação de um DVD, no dia 23 de outubro, a partir das 16h, na Casa de Samba, localizada na Rua Maria Neusa do Carmo 758, Infraero I.  

Reserva e compra de mesas através dos fones 99152-3433 e 99137-7988 

Cláudio Rogério – Jornalista, pesquisador e produtor cultural 

Para adquirir o e-book "Fotografia da Amazônia" basta contactar o fotógrafo pelo WhatsApp no (96) 3333-4579. A coletânea está no valor de R$ 30.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: