img#wpstats{display:none}

Ciclo do Marabaixo: No barracão da dona Gertrudes, a promessa para a Santíssima ainda é mantida

A Família de Gertrudes Saturnino mantém a tradição de nossos antepassados e preserva a memória do povo que ajudou a fundar Macapá e lutou para que sua fé e cultura, e mais um ano festeja a Santíssima Trindade na Favela. Desde o início do festejo, o barracão é abrigo de devotos e marabaixeiros, que durante o Ciclo do Marabaixo fazem promessas, agradecem, dançam marabaixo e cantam os ladrões, se possível, até o  raiar do dia.

 

Dona Gertrudes é a matriarca que ainda vive na memória da família e alvo de respeito. Nos anos 40 a negra já dançava, tocava e cantava marabaixo com outros descendentes de escravos na frente no Largo de São João, mais precisamente próximo da Igreja São José, até que foram deslocados para o Laguinho e Favela. Dona Gertrudes, como era costume, contou o fato em forma de ladrão, fez o verso “..pelo jeito que estou vendo, querem me deixar sozinho, uns vão para a Favela e outros vão para o Laguinho….”.

 

Toda devoção no Ciclo da Favela é em honra à Santíssima Trindade, um dos Mistérios da crença cristã, que acredita em um só Deus, formado pelo Pai, Filho e Espírito Santo, e esta fé é a motivação para que continuem. A matriarca Gertrudes é a maior prova da interseção da Santíssima. Para que sua filha Natalina pudesse engravidar, fez uma promessa para a Santíssima, e nasceu Manoel, o filho mais velho da prole, e a bênção foi paga com um almoço oferecido para 12 crianças, que simbolizavam os apóstolos. Desde então, o Almoço dos Inocentes se incorporou à tradição.

 

A urbanização do bairro obrigou a algumas adaptações, e a família fez, sem perder a essência, e aproveitaram para trabalhar a conscientização ambiental. O som ficou mais baixo, e fogos, com hora pra soltar, e a cada mastro retirado, uma muda de planta é plantada. “Tivemos que nos adaptar nossa cultura, para garantir os direitos adquiridos, como ao silêncio, à segurança, e à liberdade de cada um professar sua fé, independente de religião, e ainda contribuímos para a preservação da natureza”, explica Valdinete Costa, filha de dona Natalina e neta de Gertrudes Saturnino.

 

É com esta fé e respeito, que mais um ano a família rende as homenagens, e recebe a população no barracão, nos dias de homenagens e louvores. Neste Domingo do Mastro, 21, tem roda de marabaixo, a partir das 18h.

 

Mariléia Maciel

Assessoria de Comunicação

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: