Mestrando da Unifap vence prêmio nacional de Iniciação Científica e Tecnológica

Educa

Higor Railan de Jesus Pereira, mestrando do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Unifap da Universidade Federal do Amapá (Unifap) está entre os vencedores do 16º Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica promovido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O resultado foi divulgado nesta segunda-feira, 27.

Egresso do curso de Licenciatura em História da Unifap, Higor venceu a categoria Ciências Humanas e Sociais, Letras e Artes com o trabalho intitulado “Entre a Cruz e a Enxada: A Atuação da Pastoral da Terra no Amapá (1985-2017)”, orientado pelo professor Sidney da Silva Lobato. Para o acadêmico, o prêmio é parte de um momento importante dentro dos cursos de Ciências Humanas.

“Muitas pesquisas fantásticas têm sido desenvolvidas por docentes e discentes dos cursos de Ciências Humanas. No curso de História, eu destaco aquelas produzidas dentro do grupo de pesquisa Laboratório de Estudos da História Social do Trabalho na Amazônia (Lehstam), do qual faço parte. Nele há muita gente boa descortinando as experiências de trabalhadores e trabalhadoras do Amapá, seus cotidianos e suas lutas desde tempos pretéritos”, declara.
O trabalho, de acordo com Railan, um caráter de protesto.

“Muita gente tem absorvido o discurso hegemônico de que o agronegócio é ‘a salvação’ da economia amapaense, que vai trazer o desenvolvimento. Eu me pergunto: desenvolvimento para quem? Com minha pesquisa, procurei mostrar o quão danoso tem sido, na história recente do Amapá, o avanço da fronteira capitalista. São muitos os conflitos registrados e acompanhados pela Comissão Pastoral da Terra, que atingem os povos do campo de maneira violenta”

Ao todo, foram recebidas 573 inscrições de 193 instituições, sendo 145 universidades e 48 institutos de pesquisa. Desse total, 213 eram da área de Ciências Exatas, da Terra e Engenharias; 209 eram da área de Ciências da Vida e 151 eram relativos à área de Ciências Humanas e Sociais, Letras e Artes.

Para avaliação dos trabalhos dos bolsistas, a Comissão Julgadora observou os critérios definidos no Regulamento do Prêmio: mérito, relevância e qualidade do relatório final; originalidade e inovação; aplicação prática da pesquisa para a solução de problemas concretos e com resultados finais; e perfil, histórico escolar, atuação e atribuições do bolsista do ponto de vista do orientador.

O critério considerado para a premiação da categoria Mérito Institucional foi a agraciada ser a instituição do PIBIC com maior índice de egressos titulados na pós-graduação, em cursos reconhecidos pela CAPES, e ter bolsistas inscritos nesta edição do Prêmio.

Os bolsistas vencedores receberão R$ 7 mil em dinheiro e bolsas de mestrado ou de doutorado no país. A instituição ganhadora na categoria Mérito Institucional será agraciada com troféu e dez bolsas adicionais de PIBIC e/ou PIBITI em sua cota. Os agraciados nas categorias Iniciação Científica e Iniciação Tecnológica, bem como o dirigente da ganhadora na categoria Mérito Institucional também receberão hospedagem e passagens aéreas para participarem da Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que acontecerá na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande, de 21 a 27 de julho de 2019.

O Prêmio

O Prêmio é atribuído em três categorias: bolsista de Iniciação Científica, bolsista de Iniciação Tecnológica, e Mérito Institucional. O objetivo do Prêmio é reconhecer os bolsistas de iniciação científica e tecnológica que se destacaram durante o ano, sob os aspectos de relevância e de qualidade do seu relatório final, bem como as instituições participantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), que contribuíram de forma relevante para o alcance dos objetivos do Programa.

Amazônia Brasil Rádio Web ao vivo!

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.