Nanopartícula multiplica por até dez vezes eficácia de antibiótico

Criada por pesquisadores brasileiros, nanopartícula consegue driblar o sistema imune e se torna uma forte opção para vencer a resistência de bactérias a antibióticos

Pesquisadores brasileiros desenvolveram uma nanopartícula que, ao ser injetada na corrente sanguínea, é capaz de carrear moléculas de antibiótico diretamente até bactérias Escherichia coli. No local da infecção, o material adere à parede do microrganismo e libera o medicamento de forma controlada, aumentando em até dez vezes a eficácia do tratamento.

A inovação foi desenvolvida com apoio da Fapesp no Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano) do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas. Colaboraram cientistas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Os resultados foram descritos na revista “Advanced Functional Materials” e renderam destaque na capa do periódico.

Veja também:

Mega-Sena acumula e deve pagar R$ 90 milhões no sábado

Dez cidades mineiras enfrentam efeitos da seca em meio à chuva

“A resistência a antibióticos é um problema de saúde pública global. Uma das soluções é criar novas formas de eliminar as bactérias, e as nanopartículas podem ser uma opção. O problema é que esses microrganismos têm uma parede celular muito pouco complexa e, por isso, não há muitos pontos de ancoragem, ou seja, locais em que a nanopartícula possa se ligar e agir”, explicou à Agência Fapesp Mateus Borba Cardoso, pesquisador do CNPEM e coordenador do trabalho.

Veja mais na Revista Planeta

Para adquirir o e-book "Fotografia da Amazônia" basta contactar o fotógrafo pelo WhatsApp no (96) 3333-4579. A coletânea está no valor de R$ 30.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: