AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

“É traficante de animais e não mero colecionador”, diz PCDF sobre jovem picado por Naja

Coronel da PMDF, padrasto de Pedro Krambeck também é investigado por praticar crimes ambientais.

MIRELLE PINHEIRO

OMetrópoles teve acesso, com exclusividade, a novos documentos do inquérito que faz parte das investigações sobre o estudante de medicina veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkuhl. A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) constatou crimes de maus-tratos, posse ilegal de animais silvestres, associação criminosa e contra a saúde pública. Para a corporação, “Pedro Henrique é traficante de animais silvestres e não mero colecionador”.

Investigadores da 14ª Delegacia de Polícia (Gama), responsáveis pelo caso, detalham que as cobras eram mantidas em caixas empilhadas à vista de qualquer visitante, e que a criação de camundongos era realizada na área de serviço da residência em que Pedro mora com a mãe, Rose Meire, e o padrasto, o coronel da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) Clovis Eduardo Condi. O casal também é suspeito de envolvimento no tráfico de animais.

Veja também:
Policial civil que matou empresária será julgado pelo crime de feminicídio
Momento Espírita: No reino das borboletas
UniNorte abre processo seletivo para contratação de docentes

Segundo a PCDF, a partir dos elementos colhidos durante as investigações, foi possível verificar que, pela grande quantidade de animais apreendidos, “Pedro Henrique é traficante de animais silvestres e não mero colecionador.”

A afirmação é corroborada por mensagens de texto trocadas entre o jovem e a mãe, Rose Meire. Na ocasião, Pedro passava pela cidade de Ibotirama (BA) e trazia consigo uma cobra. Ele também mantinha contato com outros traficantes de animais.

Veja mais no site Metrópoles

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: