Polícia prende três homens pela morte do congolês Moïse no Rio

Prefeito da cidade garantiu assistência psicológica aos familiares

Estão presos desde a noite dessa terça-feira (1º) os três homens que aparecem nas imagens divulgadas pela Polícia Civil, agredindo a pauladas até a morte o congolês Moïse Kabagambe, de 25 anos, ao lado do quiosque Tropicália, na Barra da Tijuca, no Rio. Eles foram indiciados por homicídio duplamente qualificado.

O crime aconteceu no dia 24 de janeiro, mas a família só foi avisada no dia seguinte, quando o corpo já estava no IML. O delegado Henrique Damasceno, que já ouviu dez pessoas, considerou o crime brutal.

A prefeitura do Rio suspendeu o alvará de funcionamento do quiosque, que está fechado desde a noite do crime. O prefeito Eduardo Paes recebeu a família de Moïse na tarde dessa terça-feira e, em um vídeo publicado nas redes sociais, pediu desculpas em nome da cidade e garantiu apoio psicológico e material a eles.

O representante da Comunidade da República Democrática do Congo no Brasil, Fernando Papa, que acompanha as investigações, disse que o crime chocou a todos que respeitam a vida humana.

Parentes do congolês afirmam que ele tinha ido ao local cobrar o pagamento referente aos dias trabalhados no quiosque como ajudante de cozinha.

Edição: Ana Lúcia Caldas/ Marizete Cardoso

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: