MPF/AP pede a condenação de réus da operação Sanguessuga

O Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) quer a condenação de três envolvidos no esquema de compra de ambulâncias superfaturadas em Macapá/AP. O pedido foi feito à Justiça Federal do Amapá em 27 de março, nas alegações finais de processo judicial em andamento. Entre os acusados de improbidade administrativa, está o ex-prefeito de Macapá e atual secretário de Estado da infraestrutura João Henrique Rodrigues Pimentel.

Pimentel teria participado do esquema de manipulação de licitações durante sua gestão como prefeito. O objetivo era garantir a contratação da empresa PLANAM, com valores superfaturados para aquisição de unidades móveis de saúde. Além de descumprir a legislação dos procedimentos licitatórios, o esquema gerou prejuízo aos cofres públicos.

A compra dos veículos ocorreu em 2005 e as irregularidades foram descobertas durante as investigações da operação Sanguessuga, deflagrada pela Polícia Federal em 2006. Para o MPF/AP, a fraude foi comprovada de forma clara nas investigações que deram origem a ação judicial. “Os réus tinham controle sobre as licitações, homologaram e opinaram favoravelmente pela sua continuidade, garantindo que os ilícitos fossem praticados”, diz trecho do documento enviado à Justiça Federal pelo MPF.

Também são réus no processo o então secretário de finanças municipal Carlos Alberto Nery Matias e Francisco Antônio Mendes, à época procurador municipal de Macapá. Conforme as investigações, Carlos Alberto empenhou e autorizou pagamentos superfaturados, assim como permitiu pagamentos sem a celebração de contrato. Já Mendes emitiu pareceres favoráveis, mesmo com todas as irregularidades na contratação.

Penas: A ação judicial em andamento busca a condenação dos envolvidos por improbidade administrativa. Conforme legislação (Lei 8.429/1992), se julgados culpados, os réus poderão ser condenados, dentre outras sanções, ao ressarcimento integral do prejuízo ocasionado ao erário, a suspensão dos direitos políticos e ao pagamento de multa.

Operação Sanguessuga – Deflagrada pela Polícia Federal em 2006, a operação investigou fraudes em licitações de diversos municípios brasileiros. Os envolvidos simulavam a licitação para adquirir ambulâncias superfaturadas. Foi constatado o envolvimento de parlamentares federais, prefeitos, empresários e servidores públicos. As investigações começaram em Brasília e depois foram desmembradas visando a apuração setorizada dos envolvidos, especialmente prefeitos e membros das comissões de licitações das Prefeituras Municipais.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Amapá

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.