AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

O Dilema das Redes: psiquiatra ensina a usar o celular de forma equilibrada

Documentário recente expôs problemas decorrentes do uso excessivo de redes sociais. Veja dicas para uma vida mais plena

Rebeca Oliveira

Poucos documentários causaram tanta repercussão em 2020 quanto o filme O Dilema das Redes. Construída a partir de entrevistas com grandes nomes do Vale do Silício, como especialistas do Facebook, Twitter, Instagram e Pinterest, a produção expôs o modelo de negócios dessas gigantes de tecnologia e tem causado um intenso debate sobre o uso excessivo das mídias digitais.

O diretor, o cineasta Jeff Orlowski, deixa claro como isso pode ser crucial para a saúde mental da geração Z e os millennials, usuários assíduos e que têm o comportamento moldado por essas plataformas. Um dos assuntos levantados é sobre a superexposição, ou seja, a utilização desenfreada dessas ferramentas. Muita gente passou a se questionar se estava “dependente”. Houve, até mesmo, quem excluiu a própria conta em alguma dessas plataformas, como o apresentador Caio Braz.

Ninguém está seguro nas redes sociais. E não estamos nos preocupando
Para o psiquiatra Luan Marques, professor colaborador da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB), é preciso avaliar os impactos do smartphone na rotina para entender se há, de fato, algum vício na tela e no que ela proporciona. “Quando alguém passa boa parte do seu dia em um celular, perde eventos pessoais para estar nas redes sociais, não consegue fazer conexão com outras coisas além das redes, tem conflitos familiares e conjugais por causa do celular, é importante avaliar se essa pessoa não sofre de dependência de internet”, explica.

Segundo o especialista, todo excesso pode sinalizar “vazios ou ansiedades”. De qualquer forma, a primeira medida a tomar é procurar um profissional da área da saúde. Isso porque a dependência pode gerar, inclusive, consequências mais crônicas, como a depressão.

Não há um padrão ou um tempo considerado “normal”. Avalie o impacto emocional que aquela rede traz. Você tem tendência em ficar se comparando com outras pessoas? Tem dormido mal? E gasta muito em compras on-line? Todos podem ser sinais de que é hora de colocar um freio em si mesmo.

Veja também:
Podcasts para potencializar os estudos; confira
A melhor dieta anti-inflamatória é apenas uma alimentação saudável
INSS: AUMENTO de 25% a mais em 2020 é confirmado

Fuja de radicalismos
Um indivíduo pode ter apenas uma rede, e gastar horas nela. Outro, pode ter várias, mas passar apenas alguns minutos… Ou seja, mais que contar em quantas redes está ou sair deletando seus perfis, use-as de forma equilibrada. Afinal, pode haver, inclusive, um efeito rebote, e você ficar pensando “no que está perdendo” ao sair de tal mídia (o famoso FOMO, ou fear of missing out), em vez de libertar-se dela.

Veja mais no Metrópoles

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: