AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Astrônomos observam uma galáxia no fim de sua vida pela primeira vez

Daniele Cavalcante

Astrônomos observaram, pela primeira vez, uma galáxia em seus últimos estágios de vida — e fizeram isso por acaso. Ao usar o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) para estudar as propriedades do gás frio em galáxias distantes, a equipe encontrou evidências de que a galáxia ID2299 está perdendo uma grande quantidade do gás necessário para formar novas estrelas.

Localizada a cerca de 9 bilhões de anos-luz de distância, a ID2299 já perdeu quase metade de seu gás de formação estelar, através de uma ejeção equivalente a 10 mil sóis por ano. Todo esse gás está sendo “jogado fora” em direção ao espaço intergaláctico, ou seja, para longe da galáxia. Os pesquisadores estimam que cerca de 46% do gás frio existente na ID2299 já se perdeu. Além disso, a galáxia está formando algumas estrelas muito rapidamente, ou seja, o gás restante será rapidamente consumido.

]Veja também:
A indústria de casino move-se progressivamente para a internet
Saiba como a tecnologia 5G pode ser aliada da nossa saúde
Saiba como amamentar seu bebê corretamente desde o primeiro dia

De acordo com a pesquisa, o gás restante da galáxia pode durar algumas centenas de milhões de anos — um piscar de olhos em termos cósmicos. Sem esse gás, novas estrelas não poderão se formar por lá. Mas como isso aconteceu? A equipe sugere que o processo de perda do gás é resultado de uma colisão entre duas galáxias. Se a hipótese estiver correta, a descoberta pode mudar a forma como astrônomos compreendem a evolução das galáxias.

A maior parte dos pesquisadores consideram que os principais responsáveis pela perda de gás em uma galáxia são os buracos negros e os ventos causados pela formação estelar. Entretanto, o novo estudo publicado na Nature Astronomy mostra evidências de que uma fusão de duas galáxias formou a ID2299 e, por consequência, causou a ejeção do gás frio para o espaço intergaláctico.

Veja mais no Canaltech

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: