2º circuito cineclubista FINCAR e a voz das mulheres no audiovisual

Dia 29 de setembro, sábado, a partir das 19h, o Clube de Cinema, cineclube do Festival Imagem-Movimento (FIM), participa de mais um circuito cineclubista em parceria com o Festival Internacional de Cinema de Realizadoras (FINCAR). A sessão acontece na Biblioteca Pública Elcy Lacerda, com entrada franca.

O Fincar teve sua primeira edição em julho de 2016 em Recife (PE). Com foco de gênero na realização, o festival propõe uma investigação do processo criativo audiovisual feito por mulheres.

No intuito de descentralizar a exibição de filmes, a equipe do Fincar optou por estender o acesso às produções selecionadas para cineclubes de todo o Brasil, por entender essas iniciativas enquanto espaços de resistência artística e política. Sendo assim, a parceria também é uma forma de valorizar a existências dos mesmos.

A seleção que será exibida no Clube de Cinema é composta por 06 curtas-metragens brasileiros de ficção e documental, todos dirigidos por mulheres. O intuito da mostra é fomentar o debate em torno do cinema e a mulher que observa e é observada.

Visibilidade e resistência

No conturbado momento histórico e político pelo qual a sociedade brasileira passa, onde uma parcela da população acredita que o seu representante deve ser alguém que se posiciona abertamente de forma fascista, destilando ódio e questionando direitos conquistados por mulheres, negros e LGBTs, é de suma importância criar espaços que agreguem a diversidade de mulheres e deem visibilidade as suas pautas no audiovisual, seja esta indígena, negra, lésbica, trans, quilombola, ribeirinha, camponesa, entre tantas outras.

O Fincar propõe-se, assim como muitos movimentos no Brasil pós-golpe, a ser uma iniciativa de resistência a todo tipo de intolerância e violência, um espaço de diálogo e de encontro de diferenças idealizado por mulheres, se apropriando, questionando e subvertendo a lógica de um cinema que por tanto tempo serviu ao sistema patriarcal e machista no qual ainda vivemos, mas que diariamente combatemos.

E neste momento decisivo para o Brasil que as eleições representam, a 2ª edição do circuito cineclubista do Fincar em Macapá acontece aderindo ao movimento #Elenão, que se posiciona contra “aquele” candidato à presidência e a ameaça que este representa a nossos direitos, nossa liberdade e a nossas vidas.

A sessão do Clube de Cinema compõe a programação do ato cultural que acontecerá na Pç. Floriano Peixoto a partir das 16h30 também no dia 29/09, como mais um recurso de reflexão sobre as escolhas dos nossos representantes e as consequências que enfrentaremos frente a esta mudança.

Confira a programação:

BOCA DE LOBA

Direção: Bárbara Cabeça | Ficção | 18’43” | 2018 | Brasil

Sinopse: Pressões assediadoras das ruas. E um grupo de mulheres procura pela invocação de um espírito selvagem urbano.

FERVENDO

Direção: Camila Gregório | Ficção | 16’18” | 2017 | Brasil

Sinopse: Ticiane procura por momentos descontraídos enquanto tudo está fervendo.

MERCADORIA

Direção: Carla Villa-Lobos | Ficção| 15’20” | 2017 |Brasil

Sinopse: A partir da chegada de uma novata, seis mulheres compartilham suas experiências, desejos e medos no trabalho com a prostituição.

MARIA ADELAIDE

Direção: Catarina Almeida | Ficção | 15’31” | 2017 | Brasil

Sinopse: Maria Adelaide, retirante nordestina, descobre na cidade grande do Rio de Janeiro uma identidade que permanecia escondida.

PERIPATÉTICO

Direção: Jessica Queiroz | Ficção | 15′ | 2017 | Brasil

Sinopse: Simone, Thiana e Michel são três jovens moradores da periferia de São Paulo. Simone está à procura do seu primeiro emprego, Thiana tenta passar no concorrido vestibular de medicina e Michel ainda não sabe o que fazer. Em meio às demandas do início da fase adulta, um acontecimento histórico em Maio de 2006 na cidade de São Paulo muda o rumo de suas vidas para sempre.

NOME DE BATISMO – ALICE

Direção: Tila Chitunda | Documentário | 25’45” | 2017 | Brasil

Sinopse: Em 1975, a declaração da independência de Angola iniciou uma longa Guerra Civil que matou e expulsou vários angolanos de suas terras. 40 anos depois, Alice, a única filha brasileira de uma família angolana que encontrou refúgio no Brasil, decide ir pela primeira vez à Angola, atrás das histórias que motivaram seus pais a lhe batizarem com esse nome.

SERVIÇO

2ª Circuito Cineclubista FINCAR

Local: Biblioteca Pública Elcy Lacerda (Rua São José – Centro)

Data: 29/09 (sábado)

Horário: 19h

Entrada franca

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.