Bioeconomia é tema da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Educa

Eventos em todo o país vão discutir uso sustentável da biodiversidade

A 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, maior evento de divulgação científica do país, começa na próxima segunda-feira (21) com o tema Bioeconomia: Diversidade e Riqueza para o Desenvolvimento Sustentável. Segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI), o evento, que ocorre até o dia 27 deste mês, terá milhares de atividades realizadas por todo o país.

De acordo com a pasta, o tema deste ano vai debater o potencial para o uso sustentável da biodiversidade. “Fomentar o trabalho consciente e social da ciência e tecnologia vai ampliar o alcance do conhecimento do público sobre recursos naturais e sua preservação, além de divulgar o trabalho de pesquisadores e instituições ligadas aos tema”, informa o ministério.

Em Brasília, o Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade terá a Avenida da Ciência – Mundo MCTIC, exposição que reunirá todas as entidades vinculadas ao ministério em um espaço interativo para mostrar a ciência que é feita no Brasil.

Com mais de 180 expositores, os visitantes poderão se aproximar do que é feito no dia a dia da ciência, com a reprodução de experimentos, equipamentos das Forças Armadas como tanques e um caça da Força Aérea, e estúdios de rádio e televisão, entre outras atrações.

As oficinas de construção de foguetes e de robótica estão entre os destaques da programação. Para participar, os visitantes devem levar duas garrafas PET vazias de 2 litros e de 500 mililitros para essas oficinas, respectivamente.

“O evento é importante para divulgar a ciência e tecnologia para que as pessoas percebam que a tecnologia participa do dia-a-dia de todas as atividades e também motivar os jovens para as carreiras de ciência e tecnologia”, destacou o ministro Marcos Pontes.

A semana é realizada pela Coordenação de Popularização da Ciência do MCTIC em parceria com secretarias estaduais e municipais, agências de fomento, espaços científico-culturais, instituições de ensino e pesquisa, sociedades científicas, escolas, órgãos governamentais, empresas de base tecnológica e entidades da sociedade civil de todo o país. Representantes de instituições interessadas em participar podem se cadastrar no site da Semana.

Projeto Sirius

Nesta quinta-feira (17), o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, informou que serão descontingenciados R$ 180 milhões este ano para o Projeto Sirius, acelerador de elétrons considerado o maior empreendimento da ciência brasileira, que fica em Campinas, interior de São Paulo.

Segundo o ministro, ao todo, já foram investidos no projeto R$ 1,3 bilhão. Este ano, serão aplicados R$ 255 milhões no Sirius. Para 2020, estão previstos mais R$ 150 milhões no empreendimento. A expectativa de Pontes é que, até o fim do segundo semestre do ano que vem, o Sirius comece a funcionar. Um dos focos serão as pesquisas relacionadas ao pré-sal.

A primeira etapa da construção do Sirius foi inaugurada em novembro do ano passado.

Os aceleradores de elétrons do projeto geram a luz síncrotron, de altíssimo brilho, capaz de revelar estruturas de materiais orgânicos e inorgânicos, como proteínas, vírus, rochas, plantas e ligas metálicas, em alta resolução.

EBC

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: