Ouça "Notícias da Amazônia ao vivo!" no Spreaker.

Empurrando cadeira de rodas ativista sai hoje de Brasilia rumo a Belo Horizonte

Após passar uma semana em Brasília o ativista mineiro José Geraldo de Souza Castro, Zé do Pedal, 57, Zé do Pedal sai de Brasília rumo a Belo Horizonte para mais uma etapa do projeto “Cruzada pela Acessibilidade”. Um percurso entre os extremos das fronteiras do Brasil (Monte Caburaí/Roraima ao Chuí/Rio Grande do Sul).

Zé do Pedal começou sua Cruzada Pela Acessibilidade dia 10 de fevereiro de 2014 e desde então já percorreu 6.500 quilômetros e deu quase nove milhões de passos, passando pelos estados de Roraima, Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Goiás caminhando até 12 horas diariamente e empurrando uma cadeira de rodas

.

A saída da Capital Federal será hoje, sábado 29, às 10h da manhã, quando o ativista percorrerá toda extensão da Asa Sul. A chegada a Belo Horizonte está prevista para meados de abril.

Sempre acompanhado do seu amigo arquiteto, Zé Maurício Barros, participou da reunião do Lions Clube Brasília Metropolitano, esteve na Plenária da Câmara Federal assistindo à Reunião Deliberativa Ordinária da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas Com Deficiência, visitou a Câmara dos Deputados onde entregou aos Deputados Federais Rodrigo de Castro (MG) e Mara Gabrilli (SP) proposta de mudança no Art. 7º, parágrafo único do Capítulo II da Lei Nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que dispõe, em todas as áreas de estacionamento de veículos, localizadas em vias ou em espaços públicos reservadas para a Pessoa com Deficiência, alterando de dois (2) para cinco (5) por cento das vagas, visitou o Instituto Cultural, Educacional e Profissionalizante de Pessoas com Deficiência do Brasil, onde conheceu a fabrica de cadeiras de rodas da instituição acompanhado pelo presidente da OSCIP, Sueide Miranda Leite. A última atividade do ativista foi uma visita ao Secretario Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Antônio José Do Nascimento Ferreira, a quem entregou petição de fiscalização dos direitos da Pessoa com Deficiência no serviço de transporte interestadual pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Durante a reunião, Zé do Pedal informou ao Secretário que a maioria dos veículos interestaduais possui apenas alguns elementos de acessibilidade, como poltronas largas reservadas, o que não as autoriza a utilizar o Selo Internacional de Acesso (SAI), uma vez que o acesso dos passageiros com deficiência ou com mobilidade reduzida ao interior dos ônibus, carregados no colo pelos motoristas, demonstra claramente o descumprimento das normas de acessibilidade.“Muitas vezes as empresas de transporte coletivo usam o Símbolo Internacional de Acesso nos veículos sem disporem das adaptações exigidas pela legislação o que é uma agressão aos direitos da Pessoa com Deficiência” disse o ativista, informando ainda que a resolução 3871/2012 da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), obriga a disponibilização de uma cadeira de transbordo nos terminais rodoviários, mas nem essa norma é cumprida, e, aparentemente, a ANTT, ao não fiscalizar o cumprimento de sua resolução, está sendo omissa em cobrar das empresas a segurança e o conforto desses usuários (de cordo com a resolução a ANTT poderá multar ou até mesmo cancelar a autorização de funcionamento, se algum veículo não assegurar as condições de acessibilidade exigidas caso os ônibus interestaduais e internacionais não sejam adaptados para o transporte de pessoas com deficiência).

Já na estrada, Zé do Pedal participará no próximo sábado, 4, de uma reunião na Câmara Municipal de Paracatu com alguns vereadores.

O principal objetivo da caminhada é chamar a atenção sobre um dos principais problemas que afeta à Pessoa com deficiência: As barreiras arquitetônicas. “Nossas cidades foram construídas sem parâmetros de acessibilidade e hoje nossos gestores tem um grande problema pra resolver. Lamentavelmente muitos agentes públicos empurram com a barriga o problema, deixando o mesmo para os futuros gestores, Um grave e preocupante erro”, lamenta o ativista.

Quem é Zé do Pedal

145.000km de pedaladas ao redor do mundo

Fotógrafo, técnico em turismo, ativista social, ambientalista e ciclista, o mineiro de Guaraciaba e cidadão honorário de Viçosa, José Geraldo de Souza Castro, realiza, há 30 anos, inusitadas aventuras ao redor do mundo.

A historia do Zé do Pedal começa em novembro de 1981, quando decidiu viajar do Brasil à Espanha, em bicicleta, para assistir a copa do mundo de futebol “Espanha ‘82”, onde a Seleção brasileira, igual que em Joanesburgo, não teve lá muita sorte. E em uma tarde gris, na cidade de Barcelona, o Brasil caia aos pés da Itália, dando adeus ao sonho do Tetracampeonato. A bordo do transatlântico que o levou de volta ao Rio de Janeiro, Zé do Pedal foi sonhando com uma volta ao mundo em bicicleta. Pronto, a partir dai, não parou mais. Daquele longínquo novembro até hoje, visitou 73 paises em cinco Continentes, percorreu 145.000km a “base de pedaladas”, assistiu a três copas do mundo de futebol, passou por quatro guerras civis, enfrentou chuvas monzonicas, terremotos, sobreviveu a cinco furacões. Venceu uma maratona, em Lima, Peru. Visitou ilhas paradisíacas e conheceu os sofrimentos de crianças e adultos em campos de refugiados da guerra do Vietnam. Uma guerra absurda, que ao final só deixou destruição e morte. Conheceu a seca, a fome e a miséria dos povos da África e do povo nordestino. Viu sorrisos de crianças brincando as margens do “Velho Chico” e lágrimas nos olhos do barranqueiro ao ver o leito do rio quase seco. Visitou lugares que marcaram a historia, como: Torres Gêmeas, Pirâmides do Egito, Partenon de Atenas, Torre Eiffel, Taj Mahal, a ponte sobre o Rio Kwai-Ai, Torre de Pisa, e tantos outros. Enfim, suas viagens foram grandes aulas de geografia, historia e, principalmente, uma aula de vida.

As viagens, e os projetos sociais, do Zé do Pedal

– De bicicleta até a Copa do Mundo (1981/1982) – Saindo do Rio de Janeiro, ele atravessou a América do Sul, Central e do Norte, voou até a Inglaterra e foi pedalando pela Europa até a Espanha. Minutos antes da chegada dos jogadores para a Copa de 1982, chegou de bicicleta em frente à concentração da seleção brasileira. Este fato chamou a atenção de jornalistas do mundo inteiro, fazendo-o ganhar notoriedade no Brasil. Foi neste momento que ele recebeu o apelido de Zé do Pedal.

– Volta ao mundo de bicicleta (1983/1986) – Logo que retornou da Espanha, decidiu dar a volta ao mundo de bicicleta. Nesta viagem, divulgou uma campanha de Combate ao Câncer nos 54 países pelos quais pedalou. O fim da aventura se deu no México, onde novamente assistiu a uma copa do mundo de futebol.

Japão em um velocípede (1985) – Durante a “Volta ao Mundo”, cruzou o País do Sol Nascente em um velocípede infantil, enquanto chamava a atenção da mídia para a condição das crianças na Etiópia.

– De Chuí a Brasília em um velocípede (1987) – Após conhecer o mundo, Zé decidiu viajar pelo Brasil. Optou, novamente, pelo velocípede, ecruzou o Brasil para chamar a atenção dos parlamentares constituintes para as condições sub-humanas das crianças do nordeste.

– América do Sul em uma motocicleta (1996) – Em uma motocicleta, percorreu 8 países da América do Sul: Equador, Peru, Chile, Argentina,Uruguai, Brasil, Paraguai e Bolívia. A viagem foi uma comemoração do seu vice-campeonato de motociclismo no Equador.

– Pedalando no Velho Chico (2002) – Viajou por todo o Rio São Francisco, em um barco tipo pedalinho, de Três Marias (MG) até o Pontal do Peba (AL). Nesta viagem, procurou chamar a atenção do país para a poluição do Rio São Francisco.

– Da Liberdade ao Cristo (2004/2005) – Saindo da estátua da liberdade, em Nova Iorque, Zé tinha o objetivo de chegar ao Rio de Janeiro,percorrendo a costa litorânea das Américas em um barco a pedal. Nesta aventura, buscava alertar a comunidade internacional para a poluição das águas do planeta. Entretanto, na cidade de Dzilam de Bravo, no México, 18 meses depois da partida, sua embarcação sofreu danosirreparáveis ao enfrentar o furacão Rita, impedindo o término da viagem. Dos 23 mil quilômetros programados, pedalou cerca de 10 mil.

– Zé do Pedal 50 anos (2007) – Na comemoração de seus 50 anos, construiu uma embarcação a pedal feita com garrafas pet, um quadro debicicleta encontrado em um lixão e algumas barras de aço. Com ela, realizou uma inusitada travessia da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, para chamar a atenção para a poluição das águas e a importância do Protocolo de Kyoto.

– Extreme World (2008/2010) – Em um kart a pedal, viajou da França até a África do Sul. Nesta aventura, de cerca de 17 mil quilômetros,divulgou uma campanha internacional de combate ao Glaucoma e à Catarata em países pobres.

– Projeto atual: “Extremas Fronteiras, Barreiras Extremas” – Cruzada pela Acessibilidade – É uma caminhada, de 10.700km, dando 15 milhões de passos, empurrando uma cadeira de rodas, saindo de Uiramutã, (RR) fronteira norte com a Venezuela, até Chui (RS). Visitando 327 cidades de 20 estados, visando conscientizar o povo brasileiro sobre um dos principais problemas que afetam às pessoas com deficiência: as barreiras arquitetônicas.

Ouça "Notícias da Amazônia ao vivo!" no Spreaker.

O que você pensa sobre este artigo?

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: