AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Líder da Bielorrússia propõe entregar cargo após referendo

Protestos e greves são maior desafio de Lukashenko em 26 anos de poder

O líder da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, disse nessa segunda-feira (17) que estaria disposto a entregar o cargo após um referendo, numa tentativa de apaziguar os protestos e as greves em massa que representam o maior desafio em seus 26 anos no poder.

Ele fez a oferta, afirmando que ela não será concretizada enquanto estiver sendo pressionado pelos manifestantes, depois que a líder de oposição Sviatlana Tsikhanouskaya, exilada, disse estar disposta a comandar o país.

A vulnerabilidade crescente de Lukashenko ficou clara quando ele enfrentou vaias e brados de “renuncie”, durante discurso a trabalhadores de uma das maiores indústrias estatais do país, que são o orgulho de seu modelo econômico de estilo soviético e uma base de apoio crucial.

Veja também:
Vagas de emprego do Sine Macapá para 18 de agosto com inscrições pela web
Banco do Brasil fará concurso para atrair talentos em TI
Amapá tem 39.703 casos confirmados, 2.680 em análise laboratorial, 27.860 pessoas recuperadas e 617 óbitos

A Rússia disse a Lukashenko que está disposta a fornecer ajuda militar à Bielorrússia no caso de ameaça externa.

Lukashenko enfrenta o risco de sanções da União Europeia desde a repressão sangrenta dos protestos realizados. Os manifestantes alegam que a reeleição da semana passada foi fraudulenta. Ele nega ter perdido, citando resultados oficiais que lhe deram pouco mais de 80% dos votos.

Falando por videoconferência da Lituânia, Tsikhanouskaya apelou a agentes de segurança e de cumprimento da lei para que mudem de lado, dizendo que serão perdoados se o fizerem agora. “Estou pronta para assumir a responsabilidade e agir como uma líder nacional durante este período”, disse Tsikhanouskaya.

Reuters

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: