AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Tipos de mensagens que você não deve enviar para ninguém no WhatsApp

Lista traz  conteúdos que não devem ser compartilhados no mensageiro, com risco de banimento na plataforma

Clara Fabro

O WhatsApp é o aplicativo com maior número de downloads no país. A plataforma para celulares Android e iPhone (iOS) está entre as preferidas dos brasileiros para receber e enviar mensagens, mas é preciso tomar cuidado na hora de usar o app para não violar os termos de uso e terminar banido para sempre da plataforma. Mandar fake news, golpes ou dados pessoais no WhatsApp pode pôr em risco a segurança e privacidade dos próprios usuários, além de desrespeitar diretamente as diretrizes do aplicativo. Confira a seguir seis tipos de mensagens que não devem ser enviadas nem compartilhadas no WhatsApp.

1. Fake news

O WhatsApp tem sido um dos principais aplicativos utilizados para compartilhar notícias falsas no Brasil. Não é à toa que o app de mensagens tem trabalhado numa série de esforços para conter o envio de fake news na plataforma, atribuindo selos de “Encaminhado” para mensagens repassadas e setas duplas para aquelas que foram compartilhadas muitas vezes, além de limitar o compartilhamento de conteúdo encaminhado para apenas um contato por vez e oferecer um recurso para pesquisar mensagens no Google.

O compartilhamento de fake news vai contra os termos de uso do mensageiro e, por isso, o WhatsApp pode banir permanentemente contas de usuários que encaminham notícias falsas pelo aplicativo. O mensageiro, inclusive, encoraja a denúncia de perfis que compartilham conteúdo impróprio — o que inclui as fake news —, já que a criptografia de ponta-a-ponta não permite que o app tenha acesso às mensagens trocadas na plataforma.

2. Disparo de mensagens em massa

Assim como as fake news, o disparo de mensagens em massa também viola os termos de uso do aplicativo. Na verdade, as duas ações foram utilizadas por empresas de contratação de robôs durante a última corrida presidencial no país em 2018. O disparo de notícias falsas de forma massiva e automatizada foi confirmada pelo WhatsApp que, como resposta, baniu centenas de milhares de perfis na plataforma.

Além disso, o WhatsApp pode processar judicialmente empresas cadastradas na versão empresarial do mensageiro que utilizam o serviço de automação para enviar mensagens em massa. Em junho do ano passado, o mensageiro também afirmou que usuários que não respeitarem as regras da plataforma também poderão ser responsabilizados criminalmente.

Veja também:
INSS oferece serviço expresso para entrega de documentação
Cursos técnicos: modalidade deve ter aumento na procura, indica diretor do Senac
Momento Espírita: Máscaras

3. Links maliciosos

Golpes no WhatsApp ficaram ainda mais comuns durante a pandemia provocada pela Covid-19 no país. O golpe do Auxílio Emergencial, por exemplo, fez mais de 7 milhões de vítimas só em abril deste ano. Além dele, outras armadilhas também tiveram um número expressivo de acessos e envios, como o golpe do FGTS, a falsa promoção que oferecia perfumes utilizando o nome d’O Boticário, o super almanaque da Mônica grátis e a falsa promoção de Páscoa que utilizava o nome da Cacau Show para distribuir chocolates de graça.

Os criminosos por trás dos golpes, no entanto, utilizavam o mesmo esquema para atrair vítimas e espalhar o link malicioso pelo WhatsApp. As falsas promoções e o falso auxílio exigiam que as vítimas cumprissem com o mesmo procedimento todas as vezes: elas deveriam responder a algumas perguntas simples e, para ganhar o prêmio, compartilhar o link malicioso com um certo número de contatos. Ou seja, seguindo a mecânica exigida pelos criminosos, a própria vítima acaba disseminando o golpe.

Portanto, antes de encaminhar links suspeitos no WhatsApp, faça uma busca simples e confirme se a informação é verdadeira. Resgate de itens gratuitos e promoções “muito boas para ser verdade” costumam atrair a atenção de usuários e, por isso, são utilizadas por golpistas com frequência. Além disso, também é interessante verificar os caracteres de links recebidos pela plataforma antes de clicar neles, já que criminosos costumam modificar letras por caracteres especiais semelhantes com o intuito de dar credibilidade ao golpe e atrair vítimas para sites que pareçam seguros.

Veja mais no TechTudo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: