Cota pode incluir mulher no mercado de trabalho, diz especialista do Banco Mundial

Estudo do Banco Mundial que mede a diferença de gênero no tratamento jurídico, publicado a cada dois anos, será lançado nesta segunda-feira. Especialista fala da necessidade de se estabelecer cotas para as mulheres no mercado de trabalho para sanar as diferenças.

stabelecer cotas para mulheres em conselhos de administração e cargos de direção é fundamental para ampliar a participação feminina no mercado de trabalho, defende Paula Tavares, advogada e especialista em gênero do Banco Mundial.

Ela participa do lançamento, nesta segunda-feira (14), da quinta edição do relatório “Mulheres, Empresas e o Direito 2018”, projeto do Banco Mundial. O estudo, publicado a cada dois anos, mede a diferença de gênero no tratamento jurídico.

Para Tavares, a adoção de cotas contribuiria para mudar a mentalidade de empresas e da sociedade.

“Faltam medidas de incentivo. Você percebe uma melhora na participação de mulheres na força de trabalho onde existem cotas para mulheres. No Brasil, as mulheres recebem 25% menos que os homens para realizar o mesmo tipo de trabalho”, diz. “A legislação tem força para mudar esse quadro.”

Veja íntegra no Folha Pernambuco

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.